Arquivo da tag: Revista Warm Up

Na rota do Sertões: cara a cara com o mito

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de São Luís

É amanhã que os motores finalmente vão roncar aqui em São Luís, e o Rali dos Sertões vai começar a escrever a 20ª página de sua história. O clima de expectativa e de ansiedade é nítido nos olhares, nas entrevistas, nos gestos de cada competidor que está por aqui. E pude ver isso ao falar com muitos deles. As ambições são bem distintas: alguns vêm para lutar pela vitória, enquanto que, para outros, a conquista maior é simplesmente chegar em Fortaleza no próximo dia 28. No fim das contas, o que move todos é a pura e simples paixão pelo esporte.

Hoje, sexta-feira (17), foi um dia de muita movimentação aqui no Hotel Luzeiros, onde foram realizados os briefings com pilotos de carros, caminhões, motos, quadriciclos e UTVs, um outro briefing, com as equipes de apoio, além de, mais cedo, uma entrevista coletiva com as autoridades, diretores de prova e competidores e, também, um almoço promovido pela Honda Racing. Nesse tempo todo hoje tive a chance de conhecer de perto um mito do esporte, nas duas e nas quatro rodas.

Stéphane Peterhansel é a grande estrela do Rali dos Sertões 2012 (Foto: Fernando Silva/Grande Prêmio)

Talvez a grande atração do histórico 20º Rali dos Sertões seja a presença de Stéphane Peterhansel e seu inseparável navegador Jean-Paul Cottret, que vão tentar bater Guilherme Spinelli e Youssef Haddad com um Mini All4 Racing da equipe alemã X-raid. Peter, como é chamado por todos os seus colegas aqui no Maranhão, foi o último a se posicionar na mesa dos pilotos que participaram da entrevista, sentando-se ao lado de Tom Rosa, Felipe Zanol, Guilherme Spinelli, Edu Piano e Guido Salvini.

A sala de convenções, onde foi realizada a entrevista na manhã desta sexta, estava cheia de mulheres (lindíssimas, por sinal) distribuindo latinhas de Red Bull a torto e a direito. E as latinhas taurinas também decoravam a mesa da coletiva, sempre com um piloto tendo um Red Bull à frente. ‘Macaco velho’, Stéphane, que é patrocinado pela concorrente Monster, sutilmente colocou a ‘sua’ latinha de Red Bull para bem longe, até para não correr o risco de ser fotografado com um produto de uma marca rival.

Dez vezes campeão do Dakar e verdadeiro mito do esporte, Peterhansel, pode-se dizer, está para o rali cross-country como Michael Schumacher está para a F1. O maior de todos os tempos, o único, o imbatível. Assim é como Stéphane é visto por todos aqui, como o cara, o fodão, o melhor da história. E é justo considerá-lo assim. Afinal, são dez títulos do Dakar, seis nas motos e quatro nos carros. Quando um competidor vence uma prova da dimensão e da importância do Dakar uma vez, vira grande; quando vence dez, vira imortal. E Peterhansel é imortal.

E o que percebi, desde quando ele fez sua primeira aparição pública aqui em São Luís nesta sexta, é que ele, no alto da sua história como piloto, sempre se mostrou muito solícito com todos, seja com o amigo ‘Guiga’ Spinelli, seja com um fã, um membro de uma equipe de apoio, se disponibilizando sempre para tirar uma foto ou bater um papo. Assim foi também com a imprensa presente aqui. Peter deu a mesma atenção a cada um dos repórteres presentes e falou com todos com a maior tranquilidade. Postura, aliás, comum aos pilotos e navegadores do rali.

Marquei com ele próprio uma entrevista após o briefing, à tarde. E finalmente consegui falar com o mítico Peter, por volta das 17h. Em todas as respostas, Stéphane foi muito convicto, simples e se mostrou bastante humilde. Durante um trecho, ele diz ter a consciência de que é um dos grandes do esporte a motor em todos os tempos, mas que se vê apenas como uma pessoa normal.

Peterhansel falou sobre muita coisa, como a sua primeira vez no Sertões, sua história no Dakar, Sébastien Loeb, a possibilidade de um dia o Brasil receber uma especial do Dakar, enfim. Muita coisa. Adianto ao amigo leitor que a entrevista será publicada na Revista WARM UP, edição 29. Edição, diga-se de passagem, pra lá de especial, pois terá outra entrevista com outro mito do automobilismo: Emerson Fittipaldi. Em breve nas bancas virtuais!

Obviamente, Peterhansel veio para vencer. Por mais que diga que não, que não se considera o favorito à prova, seu equipamento e, principalmente, seu retrospecto vencedor, o coloca como o grande postulante ao título do Sertões 2012. O Mini All4 Racing é um baita carro e vai certamente lutar de igual para igual com o Lancer de Spinelli. Em teoria, a luta pela vitória ficará entre os dois, embora seja mais sensato não descartar Riamburgo Ximenes da briga.

Aliás, falando em Riamburgo, acabei fazendo parte de um momento curioso. Quando abordei Peterhansel, no saguão do hotel, para fazer uma última pergunta, o piloto cearense, que também correrá pela X-raid neste ano, mas com um BMW X3, se aproximou, bem humorado, e me disse: “Avise a ele [apontando para Peter] que só não falo mais com ele por causa de problemas de linguagem”. E eu disse isso, com meu inglês raikkonensístico, ao francês, que riu e disse que estava feliz por correr ao lado de Riamburgo.

Foi um baita dia, devo dizer. Não é sempre que você fica cara a cara com um mito do esporte.

E não é sempre que você consegue fazer uma entrevista com uma mulher linda, guerreira, vencedora, musa do rali e rainha do carnaval. No próximo post eu explico como foi.

Tags: , , , , , , , , , , | 1 Comentário

O fim da crise de abstinência

MAURO DE BIAS [@MaurodeBias]
de Belford Roxo

O começo da temporada é uma maravilha. Matando saudades depois de três meses sem F1. É o fim da crise de abstinência. Então vamos lá… Vamos partir para a mais longa temporada de F1 da história. Quer dizer, se não estourar a revolução no Bahrein, se Valência não der o calote, se as obras de Austin não atrasarem, se as vacas belgas não resolverem fazer um piquete em Spa — vai saber.

Como vocês já devem ter lido na revista WarmUp de fevereiro — se ainda não viram, vejam –, esta é uma temporada que começa com muitos pontos de interrogação. E assim que é bom. Geralmente são essas que acabam sendo melhores. Mas é impossível prever com certeza. No final das contas, Sebastian Vettel pode acabar ganhando na Austrália e depois em 90% das outras corridas.

Eu sei que eu mal vejo a hora da temporada começar.

E, convenhamos, temporada tem que iniciar de madrugada. Coisa muito chata e sem graça é um campeonato que começa na insossa e tediosa pista de Sakhir. Tem como ser mais corta-clima? Não tem, né? A Austrália é o lugar ideal para o início do ano. E que assim seja nos próximos. E que sejam muitos.

Pena que Bernie Ecclestone queira passar o GP para a noite. Albert Park é um circuito muito bonito (até onde eu lembro, o mais bonito do calendário, disparado), merece ser mostrado durante o dia. E, bem, logo mais tem o terceiro treino livre, com o treino classificatório às 3h da manhã. E nós vamos aqui trabalhando para levar as notícias todas para vocês. Fiquem ligados no Grande Prêmio.

Ah, já viram o nosso Ao Vivo? Está muito melhor. Aproveitem.

Tags: , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A satisfação do dever cumprido

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de Sumaré

Demorei um pouco mais que o normal para escrever sobre o fim de semana que eu vivi em Interlagos. É que, além de toda a correria que marcou esse período, também estive envolvido (ou melhor, ainda estou) com um sem número de trabalhos da faculdade, o que tem deixado esses dias com cada vez menos horas livres para meditar, refletir, fazer um balanço desse meu primeiro GP do Brasil, enfim, dessa minha estreia na F1.

Lembro como se fosse ontem da minha primeira cobertura jornalística para o Grande Prêmio e para a Revista Warm Up. Tudo aconteceu no Sertões Series, uma prévia do Rali dos Sertões, em Avaré, Interior de São Paulo, em maio do ano passado. Sabia que representava a maior agência de notícias do Brasil, eu era um novato, não podia fazer feio. Felizmente, salvo a timidez inicial, acho que fui bem para uma primeira experiência. De quebra, me apaixonei pelo rali, modalidade que não conhecia muito, mas aprendi a respeitar e amar. Uma nova era na minha vida havia começado ali.

Desde então, acumulei cada vez mais experiência. Na sequência, fiz o inesquecível Rali dos Sertões, Stock Car, FIA GT em 2010, e nesse ano, Mitsubishi Cup, Mitsubishi Motors e a Porsche Cup. Começo promissor para mim, devo dizer. Mas faltava algo, faltava a F1 para completar esses primeiros anos com essa gloriosa equipe do Grande Prêmio. E a chance finalmente veio nesse ano.

Foi meio que uma surpresa para mim. Confesso que quando fiquei sabendo que estava credenciado, fiquei ao mesmo tempo empolgado e apreensivo. Realmente não sabia o que esperar, não sabia se poderia desempenhar um bom trabalho, levando em conta que na F1 o acesso aos pilotos e equipes é muito mais restrito do que em qualquer outra categoria.

Por um momento temi por não conseguir entrevistar ninguém. Meu inglês está muito longe do ideal. Meu espanhol sim, é bem razoável, mas de qualquer forma, nunca tive a certeza de que daria conta do recado. Fui com o coração na mão, para não dizer outra coisa, imaginando que enfrentaria dias difíceis pela frente.

Foram seis dias de intensa correria em São Paulo, desde o dia em que fui para lá pegar a credencial (essa está guardada em um lugar especial), até retornar no outro dia para aí sim, iniciar minha jornada em Interlagos. Eu, que jamais consegui assistir uma corrida de F1 in loco antes, tive a real dimensão do que era aquele universo todo.

Trabalhei ao lado de mestres do jornalismo, como Flavio Gomes, Victor Martins e Evelyn Guimarães, e conheci outros tantos, do Brasil e do exterior. Entrevistei muita gente boa por lá, muita gente mesmo. Mesmo com meu inglês macarrônico, e que, quando bateu o nervosismo, tornou-se sofrível, estava eu lá em busca de alguma informação, uma foto, qualquer coisa que fosse interessante para o leitor, razão única de estar ali.

Nesse tempo todo consegui fazer algumas entrevistas boas: garanti uma entrevista exclusiva com Daniel Ricciardo — o que foi uma surpresa para mim —, e falei também com Sergio Pérez, Jaime Alguersuari, Peter Sauber, Esteban Gutiérrez, Pastor Maldonado, Tony Kanaan, Rubens Barrichello e Bruno Senna. Muito desse material já está publicado no Grande Prêmio, é só conferir no site. Julgo que, levando em conta as minhas limitações todas, consegui fazer um bom trabalho, mas isso só foi possível também graças à equipe toda na retaguarda: Juliana Tesser, Felipe Giacomelli e Mauro de Bias.

Foi tudo inesquecível, do começo ao fim. É muito bom sair da redação ‘virtual’ para fazer o trabalho na rua, na pista, em qualquer lugar. Seguramente serão dias que guardarei comigo para sempre. Ainda tenho muito que aprender, tenho que comer muito feijão com arroz (ainda mais?), preciso evoluir muito ainda, em todos os sentidos. Certamente, mais estudado e experiente, voltarei ainda mais forte em 2012, mas claro, sem nunca perder a humildade. É meio o discurso dos pilotos todos nesse fim de temporada, e por tabela, acaba sendo meu discurso também.

Como prêmio pelo árduo, porém prazeroso trabalho do fim de semana, Evelyn, Juliana e eu estivemos presentes à premiação do Gomes como melhor apresentador de rádio (Estadão/ESPN) e do Victor como melhor repórter de imprensa escrita pelo Troféu ACEESP, o mais importante de São Paulo e talvez, do Brasil. Foi o primeiro prêmio da Revista Warm Up, um momento histórico para todos nós.

Como se não bastasse, tive a chance de conhecer de perto o mito e Pai da Matéria, Osmar Santos, coroando assim a minha estada em São Paulo com chave de diamante. Momento único na minha vida. Dias que levarei para sempre comigo.

Volto para Sumaré, aqui no interior de São Paulo, com a mala cheia de experiência e aprendizado e também com o sentimento do dever cumprido. Agora é finalizar bem essa temporada e começar tudo de novo em 2012. Hasta siempre!

Tags: , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

Almanaque Warm Up 2

SÃO PAULO | Tá no filó, e o Almanaque Warm Up 2 saiu. O senhor que quer presentear sua senhoura, seu filho, seu neto, o parente próximo, alguém que curta automobilismo, bom jornalismo e trabalho de ótima qualidade, compre a mais nova edição da versão impressa da Revista Warm Up.

São 160 páginas de arte by Bruno Mantovani e textos deliciosos, dentre os quais se destaca o longo material da unificação dos títulos da F1 antes de 1950, o carro-chefe desta edição. O preço é baratinho, R$ 24,90, mais de metade do que custou o anterior.

Para comprar o Almanaque Warm Up 2, que tem matérias e seções exclusivas, é so ir ao site do ‘Automobilismo EC’, que em breve também vai oferecer muitos outros produtos ao público distinto e nobre.

Tags: , | 1 Comentário

Anuncie no Almanaque e na Revista Warm Up

Estamos nos últimos dias de fechamento do primeiro Almanaque Warm Up, mas ainda dá tempo para você, empresário, que quer anunciar seu produto em uma mídia de comunicação que vai atingir todo o Brasil.

Nosso media kit inclui um pacote que contempla também a Revista Warm Up e dá descontos nas próximas edições da publicação de automobilismo mais lida em todo o Brasil e outras partes do mundo.

Entre em contato com o diretor comercial Miguel Drasko no e-mail [email protected] para saber de todos os detalhes. Valorize sua marca.

Tags: , , , | Deixe um comentário