Arquivo da tag: Rally dos Sertões

Na rota dos Sertões: Vai deixar saudades

Escrevo este texto na noite desta terça-feira, 28 de agosto de 2012, dia de encerramento da histórica 20ª edição do Rali dos Sertões. Para mim, especificamente, foi um privilégio estar, pelo segundo ano, como responsável do Grande Prêmio pela cobertura desse evento único, tanto na esfera esportiva quanto na social. Foi uma grande honra estar aqui representando o melhor site de automobilismo do Brasil. Não sou lá muito afeito a autoelogios, mas, dentro das possibilidades, acho que o trabalho foi bom. Pode melhorar demais para as próximas edições, mas deixo Fortaleza, na próxima quinta, bastante satisfeito.

Desde quando acabou o ‘meu’ primeiro Sertões, em 2010, já vinha sonhando em participar da próxima cobertura. Não aconteceu em 2011, mas não deixei a guarda abaixar. Sabia que, mais cedo ou mais tarde, teria minha segunda chance. E ela veio neste ano, através de um convite da organização de prova, a quem agradeço demais pela oportunidade, e, novamente, ao Grande Prêmio e todos os membros do nosso ‘dream team’: Renan do Couto, Fagner Moraes, Juliana Tesser, Victor Martins, os viajantes Felipe Giacomelli e Evelyn Guimarães e o patrão Flavio Gomes.

Não é fácil fazer uma cobertura ‘in loco’ de um evento tão grande como é o Rali dos Sertões. É totalmente diferente de trabalhar em uma corrida em um autódromo, por exemplo. A complexidade é muito maior. São percorridos, em média, cerca de 500 km por dia. E muitas vezes as cidades por onde passa o rali não oferecem uma estrutura adequada para a realização de um bom trabalho. Foi assim em algumas oportunidades nesta edição, como em Palmas. Acontece. Então nós, jornalistas, temos de matar às vezes quatro ou cinco leões por dia. Peço desculpas por não ter conseguido atualizar o blog da maneira como eu gostaria. Mas é vivendo e aprendendo.

Por isso a necessidade de uma equipe forte e competente. Dessa forma, agradeço a todos do GP. Sem a ajuda de todos vocês, nada disso teria acontecido e jamais estaria aqui.

Eis um dos prêmios por completar o Rali dos Sertões: a medalha da vitória

Foram dez dias de estrada, mas um pouco mais de tempo entre a minha chegada a São Luís, no dia 16, até a minha partida, dentro de um dia e meio. Nesse tempo todo, conheci muitas pessoas, fiz bons amigos, passei por lugares onde jamais estive antes, ouvi histórias de luta, superação e vitória. Tudo isso ao longo de quase 5 mil km entre estradas, ótimas e péssimas, desse Brasil varonil.

Vi um pouco de tudo nesses dez dias de Sertões. De forma inimaginável, passei FRIO em Petrolina, em pleno semiárido pernambucano. E só para citar outros três exemplos vistos na penúltima cidade visitada, Iguatu, acho que jamais verei novamente um TÁXI rebaixado. Nessa cidade, cravada no centro-sul do Ceará, há, logo na entrada, um bar chamado ‘Sadan Hussein’ e, de forma contrastante, há um hotel, onde ficamos hospedados, comandados por freiras (Diocesano Hotel), algo que também nunca tinha visto antes. Espetacular!

Vi um Norte-Nordeste ainda bastante carente em muitos lugares, mas também é fato que, conversando com as pessoas que vivem por aqui, tudo melhorou significativamente de uns dez anos para cá. Muita coisa ainda precisa ser feita, mas o fato é que o Nordeste é uma terra promissora. Como eu disse para meu amigo Fagner hoje (ou ontem), o Nordeste é o futuro do Brasil.

Também tive o privilégio de acompanhar, ‘in loco’, um dos maiores ralis do mundo, e estar em contato diário com pilotos, navegadores, equipes de apoio, jornalistas, pessoal da organização, equipe médica, todo mundo que faz do Rali dos Sertões um acompanhamento grandioso. Quase duas mil pessoas e um só ideal. No fim das contas, o que vale é a parceria, o companheirismo, a amizade e o espírito de equipe… tudo o que, na verdade, compõe o verdadeiro espírito do Rali dos Sertões.

Aprendi demais nesses dez dias aqui. Estamos sempre aprendendo todos os dias. Mas estar em uma cobertura tão intensa como é o Rali dos Sertões nos ensina demais, não apenas como profissionais, mas na vida como um todo. Aprendi com uma lenda viva do esporte que, mesmo que você seja o melhor do mundo e o mais #fera de todos os tempos, é possível ser humilde e atencioso com o próximo. Aprendi com Cristiano Teixeira que, por mais limitações que você tenha, é possível realizar sonhos. Como o que eu realizei hoje, chegando ao fim da minha segunda cobertura do Sertões.

Junto com alguns dos muitos parceiros que me ajudaram nessa jornada ao longo desses dez dias — Fernanda Gonçalves, Caio Scafuro, Daniel Betting, Cleber Bernucci e Luciano Fritsch —, subi a rampa da vitória e recebi a medalha por ter completado o Sertões. Sentimento único de satisfação e vitória. Sentimento que gostaria de compartilhar com todos aqueles que, de uma forma ou de outra, proporcionaram tudo isso.

A cobertura do Rali dos Sertões ainda não acabou, mas o sentimento que fica já é de saudades. Nesta quarta-feira, vai ao ar um especial completo sobre tudo o que aconteceu na prova deste ano, com análise do que foi bom e do que pode melhorar, declarações de pilotos, organizadores, chefes de equipe, trazendo revelações e até mesmo um possível encerramento de carreira por parte de um lendário piloto brasileiro.

Fica o sentimento do dever cumprido, a saudade e o desejo de voltar em 2013. E seguimos na batalha, sempre acelerando. Avante!

Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Na rota do Sertões: cara a cara com o mito

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de São Luís

É amanhã que os motores finalmente vão roncar aqui em São Luís, e o Rali dos Sertões vai começar a escrever a 20ª página de sua história. O clima de expectativa e de ansiedade é nítido nos olhares, nas entrevistas, nos gestos de cada competidor que está por aqui. E pude ver isso ao falar com muitos deles. As ambições são bem distintas: alguns vêm para lutar pela vitória, enquanto que, para outros, a conquista maior é simplesmente chegar em Fortaleza no próximo dia 28. No fim das contas, o que move todos é a pura e simples paixão pelo esporte.

Hoje, sexta-feira (17), foi um dia de muita movimentação aqui no Hotel Luzeiros, onde foram realizados os briefings com pilotos de carros, caminhões, motos, quadriciclos e UTVs, um outro briefing, com as equipes de apoio, além de, mais cedo, uma entrevista coletiva com as autoridades, diretores de prova e competidores e, também, um almoço promovido pela Honda Racing. Nesse tempo todo hoje tive a chance de conhecer de perto um mito do esporte, nas duas e nas quatro rodas.

Stéphane Peterhansel é a grande estrela do Rali dos Sertões 2012 (Foto: Fernando Silva/Grande Prêmio)

Talvez a grande atração do histórico 20º Rali dos Sertões seja a presença de Stéphane Peterhansel e seu inseparável navegador Jean-Paul Cottret, que vão tentar bater Guilherme Spinelli e Youssef Haddad com um Mini All4 Racing da equipe alemã X-raid. Peter, como é chamado por todos os seus colegas aqui no Maranhão, foi o último a se posicionar na mesa dos pilotos que participaram da entrevista, sentando-se ao lado de Tom Rosa, Felipe Zanol, Guilherme Spinelli, Edu Piano e Guido Salvini.

A sala de convenções, onde foi realizada a entrevista na manhã desta sexta, estava cheia de mulheres (lindíssimas, por sinal) distribuindo latinhas de Red Bull a torto e a direito. E as latinhas taurinas também decoravam a mesa da coletiva, sempre com um piloto tendo um Red Bull à frente. ‘Macaco velho’, Stéphane, que é patrocinado pela concorrente Monster, sutilmente colocou a ‘sua’ latinha de Red Bull para bem longe, até para não correr o risco de ser fotografado com um produto de uma marca rival.

Dez vezes campeão do Dakar e verdadeiro mito do esporte, Peterhansel, pode-se dizer, está para o rali cross-country como Michael Schumacher está para a F1. O maior de todos os tempos, o único, o imbatível. Assim é como Stéphane é visto por todos aqui, como o cara, o fodão, o melhor da história. E é justo considerá-lo assim. Afinal, são dez títulos do Dakar, seis nas motos e quatro nos carros. Quando um competidor vence uma prova da dimensão e da importância do Dakar uma vez, vira grande; quando vence dez, vira imortal. E Peterhansel é imortal.

E o que percebi, desde quando ele fez sua primeira aparição pública aqui em São Luís nesta sexta, é que ele, no alto da sua história como piloto, sempre se mostrou muito solícito com todos, seja com o amigo ‘Guiga’ Spinelli, seja com um fã, um membro de uma equipe de apoio, se disponibilizando sempre para tirar uma foto ou bater um papo. Assim foi também com a imprensa presente aqui. Peter deu a mesma atenção a cada um dos repórteres presentes e falou com todos com a maior tranquilidade. Postura, aliás, comum aos pilotos e navegadores do rali.

Marquei com ele próprio uma entrevista após o briefing, à tarde. E finalmente consegui falar com o mítico Peter, por volta das 17h. Em todas as respostas, Stéphane foi muito convicto, simples e se mostrou bastante humilde. Durante um trecho, ele diz ter a consciência de que é um dos grandes do esporte a motor em todos os tempos, mas que se vê apenas como uma pessoa normal.

Peterhansel falou sobre muita coisa, como a sua primeira vez no Sertões, sua história no Dakar, Sébastien Loeb, a possibilidade de um dia o Brasil receber uma especial do Dakar, enfim. Muita coisa. Adianto ao amigo leitor que a entrevista será publicada na Revista WARM UP, edição 29. Edição, diga-se de passagem, pra lá de especial, pois terá outra entrevista com outro mito do automobilismo: Emerson Fittipaldi. Em breve nas bancas virtuais!

Obviamente, Peterhansel veio para vencer. Por mais que diga que não, que não se considera o favorito à prova, seu equipamento e, principalmente, seu retrospecto vencedor, o coloca como o grande postulante ao título do Sertões 2012. O Mini All4 Racing é um baita carro e vai certamente lutar de igual para igual com o Lancer de Spinelli. Em teoria, a luta pela vitória ficará entre os dois, embora seja mais sensato não descartar Riamburgo Ximenes da briga.

Aliás, falando em Riamburgo, acabei fazendo parte de um momento curioso. Quando abordei Peterhansel, no saguão do hotel, para fazer uma última pergunta, o piloto cearense, que também correrá pela X-raid neste ano, mas com um BMW X3, se aproximou, bem humorado, e me disse: “Avise a ele [apontando para Peter] que só não falo mais com ele por causa de problemas de linguagem”. E eu disse isso, com meu inglês raikkonensístico, ao francês, que riu e disse que estava feliz por correr ao lado de Riamburgo.

Foi um baita dia, devo dizer. Não é sempre que você fica cara a cara com um mito do esporte.

E não é sempre que você consegue fazer uma entrevista com uma mulher linda, guerreira, vencedora, musa do rali e rainha do carnaval. No próximo post eu explico como foi.

Tags: , , , , , , , , , , | 1 Comentário