Arquivo da tag: IRC

Coluna Power Stage, por Fernando Silva: O retorno da Toyota

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de Sumaré

Os números são bastante relevantes: três títulos de pilotos, outros três de construtores e 43 vitórias no Mundial de Rali. Mesmo de fora do campeonato desde o fim de 1999, quando alegou a crise econômica para sair do WRC — mas anos depois começou a injetar rios de dinheiro, sem sucesso, diga-se, na F1 — a Toyota ainda é uma das grandes lendas da categoria. E 15 anos depois, o retorno está muito próximo. A palavra é do próprio presidente da Toyota Motorsport, Yoshiaki Kinoshita.

“Nossa meta final é o WRC. Esperamos estar prontos em 2014. O futuro é desconhecido, mas nós precisamos nos preparar para o projeto do rali. Negociamos muito com a FIA. Para voltar ao WRC, nós precisamos avançar várias etapas. Porque nós paramos em 1999 e depois a maioria das pessoas se foi e não há nenhum know-how dentro da empresa. O que precisamos é preparar os motores e homologar os chassis e assim adquirir conhecimento novamente. Então estaremos prontos. Acho que só podemos fazer um projeto neste momento”, disse o executivo durante uma entrevista coletiva a jornalistas australianos na sede europeia da montadora, em Colônia, na Alemanha, antiga base da equipe de F1.

Toyota pode voltar ao WRC em 2014 com o Yaris (Foto: Divulgação)

Muito da motivação da montadora para retornar ao Mundial de Rali tem a ver com o novo regulamento de motores adotado pela FIA para a categoria no ano passado, com o uso dos motores de 1,6 L. Desta forma, todos se viram obrigados a trazer modelos novos, com a Citroën trocando o C4 pelo DS3 e a Ford substituindo o parrudo Focus pelo Fiesta. A medida também motivou a entrada da Mini no ano passado com o John Cooper Works, e a Volkswagen, que fará sua estreia no ano que vem com o novíssimo Polo R, em fase constante de desenvolvimento. A Toyota, caso entre mesmo no WRC em 2014, deverá fazê-lo como Yaris, que deve ser adaptado, já que o modelo original não cumpre às dimensões obrigatórias estabelecidas pela FIA para o WRC.

Aí vale destacar o trabalho de Jean Todt. Mesmo tendo seu passado recente ligado à Ferrari e à F1, o baixinho tem um longo histórico no rali como navegador, entre 1966 e 1981. É graças a Todt que hoje o WRC conseguiu ter um pacote atraente e que vem atraindo as montadoras, proporcionando uma variação e uma dinâmica bastante distinta de, por exemplo, 2010, quando só Citroën e Ford estavam na luta pelo título. Falta, no entanto, a figura-chave de um promotor, um Bernie Ecclestone para a categoria.

Claro que não será como em 1982, quando nada menos que 18 montadoras estiveram presentes (como Audi, Opel, Nissan, Renault, Porsche, Mitsubishi, Lancia e até Ferrari) na temporada, mas ainda assim é bom saber que uma categoria do quilate do Mundial de Rali não seja monomarca (como é a Indy, no que tange aos chassis) ou protagonizado por poucas equipes, como era o WRC há poucos anos.

A Toyota não brinca em serviço, é bom lembrar. Acho que, com exceção do fracassado projeto F1, a montadora sempre teve um papel de destaque no automobilismo. Só nos tempos mais recentes, a fábrica esteve (ou está) presente na F3, Cart e IRL (como fornecedora de motores), Nascar e voltou com tudo ao Mundial Endurance, sendo que poderia, sim, ter vencido as 24 Horas de Le Mans neste ano com o inovador TS030 Hybrid.

Tudo aí esbarra na questão da restrição de custos, ainda mais com essa crise toda que agora chegou de vez à Europa. Mas dinheiro não parece faltar à Toyota, diga-se. E é animador ter a perspectiva de ter um Mundial com pelo menos cinco marcas fortes, como Citroën, Ford, Volkswagen, Toyota e Mini. E também vale lembrar que Sébastien Loeb tem contrato com a equipe francesa até o fim de 2013, então o Mundial do ano seguinte, sem aquilo que eu chamo de ‘dinastia Loeb’, poderá ter contornos imprevisíveis, tal qual a F1 neste ano.

Mas, obviamente, ainda é muito cedo para dizer qualquer coisa, embora seja mesmo o quadro seja bastante animador para um futuro próximo, não há dúvidas. Que venha 2014, o ano que, para a Toyota, pelo menos na figura do seu presidente, já começou.

Nas trilhas do Brasil

— Falta pouco: menos de dois meses para o começo do Rali dos Sertões, o maior do mundo disputado em um só país. A prova deste ano começará em São Luís, Maranhão, em 18 de agosto, e terminará dez dias depois, em Fortaleza. Acompanhe todo o noticiário aqui no Grande Prêmio. Estamos preparando uma cobertura especialíssima, começando já a partir da próxima semana. Fique ligado!

— Como prévia do Sertões, foi disputado em Barretos, a terra do rodeio no Brasil, o Rali Cuesta Off Road, válida pelo Brasileiro de Cross Country. Entre os carros, melhor para o duo Romeu Franciosi e Ivo Mayer. Na categoria Caminhões Leves, o trio Rafael Conde, Leandro Silva e José Papacena Neto venceu, enquanto nos pesos pesados venceu o experiente Guido Salvini, ao lado de Flávio Bisi e Fernando Chwaigert;

— Também no interior de São Paulo, mas em Jaguariúna, a Mitsubishi realizou mais uma etapa da Cup, a quarta de 2012. E na categoria principal, a L200 Triton RS, deu Marcos Baumgart/Kleber Cincea, que alcançaram 42 pontos, mesmo número de Marcos Cassol e Luis Felipe Eckel. Na L200 Triton ER Master deu Zé Hélio Rodrigues, aquele, que correu ao lado de Weidner Moreira. Cassol/Eckel lidera a Mitsubishi Cup 2012 na Triton RS, com 132 pontos;

— O mês de junho foi bastante movimentado no rali brasileiro. A Copa Peugeot realizou a sua segunda etapa na temporada em Poços de Caldas, sul de Minas Gerais. E na categoria principal, a 207 Super, venceu a dupla formada por Fabio Dall Agnol e seu navegador, Gabriel Morales. Luccas Arnone e Felipe Costa terminaram em segundo, mesma colocação na temporada;

— E não será em 2013 que o Brasil voltará a receber o Mundial de Rali. Isso porque a FIA decidiu manter as sedes do WRC para o próximo ano, com exceção da Austrália, que vai substituir a Nova Zelândia no rodízio já previsto para a Oceania.

Nas trilhas do mundo

— Junho foi um mês trágico para o rali mundial. Primeiro pela morte do jovem Gareth Roberts, de 24 anos, que não resistiu aos graves ferimentos sofridos na etapa de Targa Florio do IRC (Desafio Intercontinental de Rali), na Itália. O galês era navegador do experiente Craig Breen. A prova foi cancelada pela organização do IRC;

— Ainda pelo IRC, uma semana depois da tragédia que matou Roberts, Juho Hanninen venceu o Rali de Ypres, na Bélgica, correndo com um Skoda Fabia S2000. A liderança segue nas mãos de Andreas Mikkelsen, com 89 pontos, seis a mais que Jan Kopecky;

— Lucie Vauthier, de apenas 28 anos, também morreu neste trágico junho, também por conta de um acidente em um rali. A pilota francesa guiava um Citroën C2 no Rali Vins-Macon, etapa do campeonato francês. Lucie bateu em alta velocidade no muro. Removida para um hospital em Dijon, ficou internada por seis dias, mas não resistiu.

Tags: , , , , , , , , | 7 Comentários