Gillette na McLaren?

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de Sumaré

Esse é o rumor da vez no paddock da F1. A Gillette, marca de propriedade da gigante norte-americana Procter & Gamble e ligada a Bruno Senna, pode, segundo a revista alemã ‘Auto Motor und Sport’, ser a principal patrocinadora da McLaren a partir da próxima temporada. O time de Woking perderá a Vodafone no fim do ano e procura um investidor de peso para permanecer entre as equipes de ponta da F1.

A Gillette, claro, não é a primeira empresa que aparece ligada à McLaren a partir do ano que vem. O principal rumor aponta para a Telmex, gigante mexicana das telecomunicações, comandada pelo bilionário Carlos Slim, como substituta da Vodafone, que opera no mesmo ramo de atividade, só que na Europa. E, ainda por cima, haveria outro interesse, já que seu pupilo Sergio ‘Checo’ Pérez agora está no time britânico. Torcida, pelo menos da parte de Pérez, não falta.

Nesta fase, já li rumores apontando a Emirates Airlines e também a Coca Cola à McLaren. A primeira empresa já estampou sua marca nos carros cromados de Woking em um passado não muito distante. Já a Coca Cola atualmente patrocina a Lotus por meio da marca de bebidas energéticas Burn.

Voltemos à Gillette. Essa especulação remete, obviamente, a Bruno Senna, piloto que contou com o apoio da empresa principalmente nos seus dois últimos anos de F1, quando correu pela Renault e pela Williams. O primeiro-sobrinho foi sacado do grid e agora tem um novo foco na vida, já que se prepara, junto com a Aston Martin, para disputar o Mundial de Endurance nesta temporada.

Só que Bruno permanece no WEC com o patrocínio da Gillette, que bancou a maior parte do seu orçamento na Williams no ano passado. Não é difícil imaginar numa possibilidade de Senna vestir o macacão da McLaren, ainda que como piloto reserva, caso a equipe tenha, de fato, o patrocínio da P&G. Vai depender mesmo de Bruno ter o interesse em deixar o endurance para ocupar o posto de reserva e piloto de testes — que quase não testa — na McLaren.

Senna + McLaren + Honda = combinação explosiva, pelo menos do ponto de vista do marketing (Foto: Divulgação)

Mas nunca é demais lembrar que Senna + McLaren, do ponto de vista do marketing, é algo muito forte a ser explorado. Indo além, existe também outro rumor — que ganha muita força a cada dia — ligando a Honda à McLaren. Assim, a combinação Senna + McLaren + Honda hoje é ainda mais forte, quase explosiva.

Sinceramente, acho bem difícil que tal situação se torne realidade, ainda que aconteça a união McLaren-Gillette. Bruno, convenhamos, foi apenas mediano na F1 e tem diante de si um horizonte muito mais interessante no endurance, que vem crescendo a passos largos. E outra: a McLaren vem investindo muito em jovens talentos, um em especial: Kevin Magnussen. E o padrão de exigência da equipe em termos de pilotos é muito maior do que é hoje na Williams, por exemplo.

Rumores são rumores. Mas nesse mundo da F1, tudo pode acontecer.

Tags: , , , , , , ,

108 respostas para Gillette na McLaren?

  1. Adriano Muha disse:

    Acho que a TelMex vai fechar, ainda mais com o Perez lá. Não demora o México ter uma prova na F1 também. Estamos perdendo na formação de pilotos para México, Venezuela…só falta a Argentina.

  2. renato disse:

    Esqueçam Senna + McLaren + Honda, o Bruno é gente fina mais ñ tem 1% DO TALENTO do tio, ´sera mais gratificante e tera menos pressão correndo em outra categoria, acredito que a Telmex entre apartir de 2014, caso o contrario Sergio Perez corre risco, prq a Honda retornando tera Koba mito, podendo proporcionar a primeira vitoria de um japonenes na F1 com o seu motor!

    • Fernando disse:

      Não posso negar que imaginar Kobayashi na McLaren seria épico. Se bem que a ligação que ele tem (ou tinha) é com a Toyota. Independente disso, seria demais. E outra, Koba jamais deveria ficar de fora da F1.

  3. paulo vitor disse:

    sinceramente acho q com um carro Mclaren o bruno nao ia deixar a desejar, ele é um piloto cerebral e acho q se u estilo combina com os carros atuais estilo Button ….vai saber neh

  4. Fernando Cruz disse:

    O tempo do Bruno na F1 ja deve ter passado. Teria uma carreira excelente se tivesse entrado com a Honda ou a Brawn em 2009 mas perdeu muitos anos sem um desenvolvimento normal por conta da crise financeira. Estava a recuperar, sobretudo no ultimo ano com a Williams, mas como nao ficou na equipa e quis sair para o WEC duvido que volte a F1. Ainda para mais esta nos GT do WEC e nao nos LMP1, tornando ainda mais improvavel um eventual regresso. A nao ser que a Honda volte como equipa e aposte nele. Poderia ate formar-se um dream team de ex-pilotos de F1 com Bruno e Kamui, num contrato de longa duraçao e todas as condiçoes para trabalharem com estabilidade. Formariam um line up de grande qualidade e um ano bastaria para se readaptarem a F1 e apanharem o ritmo dos outros, mesmo apos 2 anos afastados da categoria maxima.

  5. Marcelo disse:

    “Combinação Senna + McLaren + Honda hoje é ainda mais forte, quase explosiva”

    Mas aí tem que buscar o tio na tumba pra explodir de verdade…

    O sobrinho com bons carros teve sua chance em 28 corridas em 2011/12, pouca coisa mostrou. Se voltar a F-1 é em time pequeno como Marussia ou Caterham. Por esses times o sobrinho não volta, não é sua vontade, e como nenhuma equipe mediana quis ele, sem chance, pode dar Adeus ao circo…

    • Fernando Cruz disse:

      Nao era preciso ir buscar o tio a tumba. Bastava o Bruno ter entrado em 2009 com a Brawn, quando a sua confiança estava no auge e vinha de uma epoca competitiva na GP2. Com um carro ganhador ate o Damon Hill ganhou na estreia e o Bruno mostrou mais talento do que o Hill nas formulas secundarias. Entrando em 2009 tenho a certeza que o Bruno se firmava na F1. Desenvolvia-se muito desde essa altura e seria agora um piloto bem melhor. Bem melhor do que mostrou na Williams o ano passado…

      • DMC disse:

        Concordo com tudo que você disse Fernando, aliás, se ele tivesse permanecido na F1, certamente faria um campeonato muito bom este ano, sem dúvida nenhuma. O problema, como você disse, foi a crise financeira de 2009, que acabou deixando-o sem lugar na F1, em uma época em que ele vinha na melhor de sua forma, de um vice-campeonato na GP2. Vamos ver o que acontece.

  6. jose roberto correa disse:

    Infelizmente as pessoas acham que porque Bruno senna era sobrinho do eterno AIRTON SENNA ia se dar bem, mais todos os filhos e herdeiros dos grandes campeões, como Nelson Piquet, Airton Senna, Emerson Fittipaldi, Pelé, Prost, Lauda, Rosberg, Paulo Gomes, etc…..
    , foram uma decepção, isto quer dizer que o velho ditado “FILHO DE PEIXE É PEIXINHO” não passa de folclore.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    • Alex disse:

      Damon Hill foi campeão e não podemos esquecer o Villeneuve, o pai não foi campeão, mas ele foi. O Rosberg não é nenhum bobo, vamos ver quando a Mercedes melhorar, o Hamilton terá uma adversário azedo. Vem o Sainz por aí, aguarde.
      Os filhos de corredores tem mais chance porque vivem desde cedo no automobilismo, tem nomes que ajudam com patrocinadores, e começar cedo é uma necessidade em qualquer esporte. O Nelsinho Piquet tinha tudo para chegar lá, venceu tudo que disputou até cair nas mãos do bandido do Briatore.

  7. samucon disse:

    Gosto do Bruno Senna, + pela ligação do Tio… Nunca me fez nada…. mas… na boa…. o Bruno Senna não sabe se quer aquecer os pneus para uma volta lançada de classificação. E outra.. na Mc Laren … patrocínio forte.. sim… Piloto exclusivamente pagante…. não…

    • Fernando Cruz disse:

      Eu nao acredito que o Bruno tenha desaprendido. Ele em 2011 fez grandes voltas de qualificaçao com a Lotus (passou ao Q3 em 4 ocasioes nas 8 possiveis), portanto mostrou ter potencial para muito mais do que 1 passagem ao Q3 em 20 GP.s. Mais do que a perda dos treinos livres para o Bottas o que o atrapalhou foram os pneus de 2012, que tinham uma margem de funcionamento muito estreita para as qualificaçoes. So dois pilotos (o Button e o Bruno) tiveram grandes problemas com isso, por terem um estilo de pilotagem suave que nao aquecia bem os pneus. Tiveram de adaptar e isso demorou algum tempo. O Button tinha muito mais experiencia e a ajuda total de uma equipa de topo como a McLaren, por isso resolveu os seus problemas mais cedo do que o Bruno. Outros muito experientes como o Webber (em 2011) ou o Massa (entre 2010 e a parte inicial de 2012) tambem ja tiveram problemas em tirar o maximo do carro e dos pneus, durante mais tempo do que o Bruno e tendo muito melhores condiçoes.

      Acredito que em 2013 o Bruno iria andar bem melhor nas qualificaçoes (os pneus tem uma margem de funcionamento maior, mais normal, aceitando melhor qualquer estilo de pilotagem). Mas para entrar na McLaren teria que ter entrado em 2009 com a Brawn, ou o mais tardar em 2010 com uma equipa do meio do pelotao. Dessa forma sim, desenvolvia-se bem mais durante os ultimos anos e poderia entrar na McLaren, tal como aconteceu com o Perez este ano.

      • Américo Lima disse:

        “Eu nao acredito que o Bruno tenha desaprendido.”

        Cara, o Bruno Senna, na verdade, nunca aprendeu coisa alguma de corridas. Ele é lerdo demais.

  8. rafael disse:

    Acho que ele iria se dar bem pela tocada que é semelhante a do Button,agora o que a Willians fez nessa 1 etapa com o tal de Bottas?? nada ficaram brigando pelas últimas posições, fora o venezuelano que só fez trapalhada o cara é um perigo na pista.Acho que ele suporta a pressão pq na F1 não basta ser bom tem que aguentar a pressão e isso ele aguenta.

    • Juan L. Couto disse:

      Há uma grande diferença, a meu ver, entre o Jenson Button e o Bruno Senna.

      • Fernando Cruz disse:

        A grande diferença e que o Button tem muito mais experiencia. Em talento puro nao ha grande diferença entre eles. O Bruno foi quase tao rapido como ele logo na primeiro teste que fez, com o Honda no final de 2008, quando o Button ja tinha 9 anos de experiencia na F1.

        Alem disso o proprio Button nao fez melhor do que o Bruno nos seus primeiros anos de F1, com muito melhores condiçoes do que o Bruno teve com a Lotus e a Williams, sendo batido sempre pelos seus colegas de equipa. No final de 2000 o Button tambem foi dispensado da Williams para dar lugar a um estreante (na altura o Montoya) e na Benetton em 2001 andou quase sempre bem atras do Fisichella. Mesmo em 2002, na Renault, foi normalmente batido pelo Trulli em velocidade pura.

  9. Alexandre Lourenço disse:

    É PARECE QUE AS VIUVAS DO SENNA AINDA ESTÃO DE PLANTÃO PRA FICAR IMAGINANDO TANTA BABOSEIRA.

    • Fernando Cruz disse:

      Infelizmente muita gente acha que so quem tem sucesso na F1 e que e bom, esquecendo as circunstancias da carreira de cada um. Brasileiros com potencial para vencer na F1, que por uma ou outra razao nao tiveram sucesso, houve muitos. Entre eles Marco Campos, Nelsinho Piquet, Lucas Di Grassi e Bruno Senna. Talvez nenhum deles tivesse potencial para vir a ser um Campeao como um Piquet ou um Ayrton. Mas todos eles poderiam ter atingido o nivel de um Pace, Barrichello ou Massa. Potencial para isso nao lhes faltava.

      • Juan L. Couto disse:

        Cruz, digite no sistema de busca do Google “Bruno Senna” e “desculpas”. Após a pesquisa, qual a conclusão a que o senhor chega? Diga-me tudo e não me esconda nada!

  10. Fábio Gomes disse:

    Prezados Senhores:

    Por gentileza, leiam o que os missivistas do blog do Flavio Gomes estão dizendo sobre a Honda e o Kamui Kobayashi:

    VAI, MITO! (uns 100 comentários):
    http://flaviogomes.warmup.com.br/2013/03/vai-mito/

    É EM 2015! (perto de 80 comentários):
    http://flaviogomes.warmup.com.br/2013/03/e-em-2015/

    Acho que muitos comentários fazem bastante sentido.
    Abraços!

    • Juliana disse:

      Adoro, simplesmente, amo o Kamui Kobayashi. O japonês merecia continuar na F-1, pois é um piloto que, além de ser um amor de pessoa, tem coragem, ousadia. As ultrapassagens do Koba-san sempre me emocionaram! Adorei vê-lo no pódio em sua terra natal.
      A Honda munirá, ao menos, duas escuderias com os seus propulsores. A Mclaren será uma das clientes, quanto ao outro time, arrisco a Sauber, a Williams ou a Force India. A chance do Kamui regressar está, a meu ver, na segunda equipe que receber os Honda V6 Turbo. Quero, novamente, observá-lo sorrindo no pódio.

      Honda, volte logo e traga o Mito de volta ao circo!!!

      Parabéns pelo Blog, que é muito bom!!!

      Beijos!!!

  11. Claudio disse:

    Acho que a carreira de Bruno pela F1 ainda não acabou…Sua passagem foi muito problemática, sempre teve que correr pensando na vaga do ano seguinte, ou no piloto reserva ou ainda com um carro que se arrastava no inicio…. Se houvesse a oportunidade de correr na Mclarem em um contrato de 2 anos, acredito que ele iria bem. Infelizmente meu saudosismo fala mais alto que qualquer outra coisa, mas ainda acredito que Bruno é muito melhor que muitos pilotos do grid hoje, como por exemplo Grojean… Tomara que volte, e ainda melhor se for na Mclarem.

    • Valdemar Domingos ( Valsenninha) disse:

      Isso é que é esperança, mas sejamos realistas, Bruno Senna tem um tipo de condução mais virada para a consistência do que para a Velocidade pura… mas vamos esperar, por agora esse acerto de Gillette e McLaren não envolve Bruno Senna.

      Cumps

  12. Carlos Silva disse:

    Em três temporadas, o Bruno Senna mostrou que é um piloto medíocre, fraco. Ele só esteve na F-1 pelo sobrenome renomado e pelos milhões de dólares dos patrocinadores. Perdeu para o Pastor Maldonado – outro medíocre – e isso já diz tudo.

  13. Ricardo Santos da Rosa disse:

    Bruno Senna na Mclaren-Honda? Só se o sobrinho do Ayrton conseguir arrumar mais dinheiro do que aquele currículo (mala de dólares) que o rapaz costumava apresentar para os chefes de equipe. Trata-se somente de um profissional com um sobrenome ilustre e bons patrocinadores. No time de Woking, apenas se o Bruno levar uns 100 milhões de dólares. Ele é um piloto inapto e vagaroso, que acaba sendo constantemente dispensado das escuderias, por deficiência técnica. Sem um mínimo de talento, um pagante não consegue manter-se no circo da F-1 e o sobrinho do Ayrton é a maior prova. Eu não faço patriotada, como o Galvão Bueno, só pelo fato do piloto ser brasileiro.

    Bruno Senna teve a sua oportunidade na F-1, mas não soube aproveitá-la. Para mim, o rapazola acabará como colega do Rubinho. Aos brasileiros, resta torcer para o Massa.

    • Fernando Cruz disse:

      A unica deficiencia tecnica foi nao acertar as qualificaçoes com a Williams mas na propria equipa toda a gente acreditava que ele iria melhorar com os pneus de 2013, que tem uma margem de funcionamento mais normal. Todos estavam tambem conscientes da falta que fizeram os treinos livres em que ele nao pode participar. Simplesmente a Williams investiu muito tempo (3 ou 4 anos) e dinheiro em Bottas e a influencia de Toto Wolff foi tambem decisiva para promover o finlandes. Muitos na equipa defendiam a continuaçao do Bruno e alguns tambem acabaram por sair, casos de Mark Gillan e Tom McCullough.

      O Bruno foi rapido e consistente nas corridas e lutou de igual para igual com outros jovens talentos, mesmo apos 3 anos sem poder evoluir normalmente. Mas claro que se ele tivesse entrado em 2009, como teria merecido, seria agora um piloto bem melhor, porque teria evoluido muito mais durante os ultimos anos.

  14. José Carlos Brito disse:

    Bruno Senna de novo, NÃO! A Mclaren retrocederá, caso contrate um piloto tão fraco. É melhor ficar com o Button e o Pérez. Bruno decepcionou os amantes da F-1.

  15. Marcio Vieira disse:

    O Bruno Senna teve tudo, tudo para fazer sucesso na F/1, mas achou que o seu belo rosto e um sobrenome famoso iriam mantê-lo no circo. O rapaz poderia ter êxito na carreira de modelo, pois, ao volante de um F/1 mostrou-se um desastre.

    • Fernando Cruz disse:

      Esse comentario e o cumulo da desonestidade.

      Ter tudo para ter sucesso na F1 seria entrar com a Honda ou a Brawn em 2009. Se isso tivesse acontecido provavelmente ganharia corridas logo na estreia, ate porque vinha de uma epoca competitiva na GP2. Seria agora um piloto muito melhor, pois teria entrado no melhor da sua forma, quando a sua confiança estava no auge, e teria evoluido ainda muito mais a partir dessa altura.

      Em vez disso passou um ano quase parado (2009) depois entrou com um carro com o qual nem o melhor piloto do mundo conseguiria fazer nada (2010) e passou ainda meio ano parado em 2011. Tendo em conta tudo isto a sua performance esteve longe de ser um desastre. Desastre sao comentarios de gente sem noçao do que e o automoblismo.

  16. Américo Lima disse:

    Acreditar numa Mclaren Honda com o Bruno Senna é como crer em coelhinho da Páscoa, Papai Noel, curupira, saci etc. O time inglês deveria falir, se contratar piloto tão ruim.

  17. Fabio disse:

    Há aspectos que podem aproximar o Bruno da McLaren e há outros que o afastam.
    Os que o aproxima da McLaren: o patrocínio da Procter & Gamble, a relativa experiência na F1, o sobrenome famoso, o histórico do Ayrton e a Honda (se fornecer motores para a McLaren). Basta lembrar que o Bruno seria um dos pilotos da Honda em 2009, antes da equipe ser sucedida pela Brawn.
    Os aspectos que o afastam: os contratos da McLaren com o Button e com o Perez, a idade (terá 31 anos em 2015), o tempo afastado da F1 (se não retornar ao longo desse ano e do ano que vem serão 2 anos longe) e o histórico apenas regular nas equipes em que correu de F1.
    Sinceramente, gostaria que ele corresse de F1 novamente, mas acho um pouco difícil.

  18. Haroldo Almeida de Azevedo disse:

    Sinto muito dizer, mas o sobrinho do talentoso Ayrton Senna é um piloto apenas mediano. Bruno Senna é um rapaz de uma família rica e teve todas as oportunidades para se desenvolver nas pistas. Patrocinadores fortes como o grupo do Eike Batista, o Banco Santander, a Embratel etc. foram inluenciados, por óbvio, pelo sobrenome famoso, mas se deram mal. Bruno é vagaroso e mostro dificuldades para acertar os carros da Hispania, Lotus e Williams. A Mclaren é uma das “Big Three” e, em tempo algum, cometeria o absurdo de firmar contrato com o Bruno senna.

    • Fernando Cruz disse:

      “…teve todas as oportunidades para se desenvolver nas pistas.”

      Começou a correr muito tarde, quase com 21 anos, portanto logo no inicio estava longe de ter as condiçoes ideais para se desenvolver nas pistas. Mesmo assim fez um excelente trabalho nas formulas secundarias, conseguindo em 4 anos fazer mais do que Damon Hill conseguiu em 10 anos. Merecia mais entrar na Brawn em 2009 do que o Hill mereceu entrar como titular na Williams em 1993. Ambos começaram muito tarde mas o Bruno mostrou mais talento e conseguiu melhores resultados, sobretudo na GP2, vencendo ate no Monaco. Podemos dizer que na F1 perdeu na secretaria, quando a Honda decidiu sair de forma inesperada devido aos efeitos da crise financeira. Foi isso que fez o Bruno passar ao lado de uma excelente carreira na categoria maxima. Entrando em 2009 com um bom carro teria um excelente desempenho, pois estava no melhor da sua forma. Veja-se o que fez Damon Hill na F1 e imagine-se o que teria feito um piloto que mostrou bem mais do que o ingles nas formulas secundarias. Ganharia corridas logo na estreia, ate porque vinha de uma epoca muito boa na GP2. Seria agora um piloto bem melhor, pois teria entrado no melhor da sua forma, quando a sua confiança estava no auge, e teria evoluido ainda muito mais a partir dessa altura. Em vez disso passou um ano quase parado (2009) depois entrou com um carro com o qual nem o melhor piloto do mundo conseguiria fazer nada (2010) e passou ainda meio ano parado em 2011. Portanto o sobrenome e o dinheiro dos patrocinadores nao lhe valeram de muito na F1, pois nao teve as oportunidades que merecia na altura certa (2009) com o carro certo (Honda ou Brawn).

      Mesmo assim mostrou potencial, na unica epoca completa com um carro decente. Mesmo em condiçoes inferiores a dos adversarios, ate por perder 15 treinos ivres, fez o suficiente para ser bem mais consistente do que um colega que ja estava na equipa ha mais tempo e era velocissimo em qualificaçao. Mesmo assim o Bruno pontuou 10 vezes e Maldonado apenas 5. Foi mais rapido do que Maldonado em muitas corridas e lutou de igual para igual com jovens talentos que tiveram muito melhores condiçoes para se desenvolverem. Recentemente ate Mika Salo veio reconhecer que o Bruno merecia continuar na F1 e que desde o inicio se sabia que nao continuaria na Williams em 2013. Nao continuaria porque a Williams investiu muito tempo e dinheiro em Bottas e qualquer um que corresse ao lado de Maldonado em 2012 teria de ceder o seu lugar ao jovem finlandes no ano seguinte. De outra forma nao faria sentido a equipa dar 15 treinos livres ao novato sempre no carro do colega de equipa de Maldonado, uma estrategia que foi decidida ainda em 2011, muito antes do Bruno ter assinado com a Williams.

  19. Lúcia Helena disse:

    O Bruno Senna é aquele tipo de piloto que, já no presente ano, quase ninguém mais irá lembrar-se dele. Isso mostra a “relevância” que ele teve para o automobilismo brasileiro.

    Já foi tarde!

    • Fernando Cruz disse:

      Quem foi tarde foi Barrichello! Em 2009 aproveitou a crise financeira para ganhar a vaga ao Bruno Senna na secretaria, de forma covarde, limitando-se depois a confirmar as suas limitaçoes ao perder para Button de forma clara, terminando o campeonato apenas em terceiro. Pior do que isso, na altura em que o Brawn foi mais competitivo Barrichello nao ganhou uma unica corrida enquanto o Button ganhou seis! Bruno Senna poderia ate nao fazer melhor do que ele, mas faria certamente o suficiente para terminar o campeonato entre os 3 ou 4 primeiros e muito provavelmente ate ganharia algumas corridas. Certamente iria firmar-se na F1 a partir dessa altura e seria agora um piloto bem melhor, muito mais desenvolvido!

  20. Ícaro Bustamante disse:

    Não vislumbro em Bruno Senna um piloto capaz de ser um futuro campeão e sequer considero o sobrinho do Ayrton talentoso.

    Na Fórmula 1, o Bruno Senna:

    – nunca venceu uma corrida;
    – jamais subiu ao pódio;
    – perdeu para um venezuelano inábil, incapaz.
    – tem, exclusivamente, um sobrenome afamado;
    – contou com patrocinadores confiáveis – ao contrário do L. Razia – mas sempre teve o mesmo fim: dispensado;
    – guiou carros com os bons propulsores Renault, mas pouco fez;

    Na F-1, o piloto tem de ser, ao menos, bom, coisa que o Bruno jamais mostrou.

    • Fernando Cruz disse:

      “-perdeu para um venezuelano inábil, incapaz.”

      Maldonado ganhou uma corrida de forma brilhante e qualificou-se brilhantemente entre os seis primeiros umas sete vezes, batendo frequentemente pilotos consagrados com carros melhores do que o dele. Por exemplo Raikkonen em Spa ou Vettel em Singapura. Um piloto que faz isto esta muito longe de ser um inabil ou incapaz. Qualificou-se umas 13 ou 14 vezes no Top 10 da qualificaçao enquanto o Bruno so uma vez o conseguiu.

      Nas corridas sim, podemos dizer que Maldonado se mostrou inabil em diversas ocasioes, perdendo muitos pontos com erros. Nas corridas o Bruno Senna mostrou ate mais talento do que Maldonado, sendo igualmente rapido mas muito mais consistente, apesar de perder todos aqueles treinos livres e estar na equipa ha menos tempo. Num segundo ano com a equipa o Bruno iria certamente melhorar nas qualificaçoes, ate porque ja nao teria a desvantagem de perder treinos livres.
      Mas claro que o Bruno seria um piloto MUITO MELHOR se tivesse entrado em 2009 com um bom carro, como teria merecido.

  21. Paulo Roberto disse:

    Jornalista Fernando Silva,

    Desculpe-me se for ofendê-lo, mas entre o Bruno Senna e o Kamui Kobayashi, eu prefiro este último a bordo de um Mclaren&Honda. Confesse que o amigo teria, também, a curiosidade em observar o japonês num time topo de linha? Uma coisa é conduzir uma Sauber, outra, complementarmente diferente, uma Mclaren. Ainda mais que a renomada escuderia britânica terá os propulsores Honda, ou seja, empresa nipônica com piloto do Japão. Tal notícia chamará ou não a atenção da mídia?

    Koba-san tem talento para guiar uma Mclaren, ou uma Red Bull, ou uma Ferrari. É só dar uma oportunidade ao Mito.

    Paulo

  22. Ivan Rocha disse:

    Sou mais o Koba-san na Mclaren, com um poderoso motor Honda!

  23. IGOR disse:

    Sempre fiquei com a impressão de que o Bruno Senna sequer sabia o que estava fazendo na Fórmula 1. E, ademais, ter de aguentar o comentarista Fernando Cruz dando desculpas grotescas para o desempenho pífio do sobrinho do Ayrton… Bruno só tem sobrenome.

    • Fernando Cruz disse:

      Sim, o Bruno so tem sobrenome. Foi o sobrenome que ganhou no Monaco na GP2. O Bruno ficou em casa a descansar enquanto o seu sobrenome ganhava aquela corrida de forma brilhante, mantendo em respeito o Maldonado. Quando ganhou em Silverstone a chuva, batendo de forma clara o Lucas Di Grassi, tambem foi o sobrenome que ganhou e nao o piloto. Foi tambem o sobrenome que fez melhor do que o mesmo Di Grassi no teste com a Honda, ficando a menos de 0,3 do Button logo na primeira vez que pilotou um F1 a serio.

      Foi o sobrenome que se qualificou em setimo em Spa com a Lotus, na frente ate de Alonso, logo na primeira vez que pilotou um carro decente num GP. Foi o sobrenome que pontuou em Monza depois de recuperar desde as ultimas posiçoes, fazendo a quarta volta mais rapida da prova na segunda corrida com um carro de F1 decente.

      Foi o sobrenome que fez a volta mais rapida em Spa. Foi o sobrenome que deu um show a chuva na Malasia, passando tudo e todos enquanto a pista esteve molhada. Foi o sobrenome que terminou na frente de Maldonado na China, andando no mesmo ritmo dos pilotos que lutaram pelo segundo lugar. Foi o sobrenome que passou toda a corrida no Monaco nos escapes do Kimi Raikkonen, so nao indo mais longe porque nesse circuito e impossivel ultrapassar e a tatica da equipa tambem nao foi a melhor. Foi o sobrenome que terminou em setimo na Hungria, na frente de Webber e Massa e andando no ritmo de pilotos como Alonso e Button. Foi o sobrenome que o fez ser um dos mais rapidos em pista em corridas como Singapura ou Suzuka e fazer a segunda volta mais rapida na India, depois de ultrapassar Maldonado e Rosberg. Foi o sobrenome que o fez ultrapassar Hulkenberg de forma brilhante em Silverstone ou ultrapassar por fora o Perez em Hungaroring, num circuito onde quase ninguem passa ninguem mesmo estando em vantagem tecnica ou com pneus em melhor estado. Foi o sobrenome que o fez terminar 10 vezes nos pontos enquanto o colega que estava sempre no carro pontuou apenas 5 vezes. Foi o sobrenome que o fez ser o segundo mais rapido no Q1 de Interlagos, com a pista ainda molhada, a 0,1 do tempo do Hamilton.

      Na verdade o sobrenome nunca permitiu sequer que ele tivesse uma unica oportunidade justa na F1, enquanto outros que fizeram menos e mostraram menos nas formulas secundarias tiveram oportunidades bem melhores.

  24. Mariana disse:

    Sou mais o japonesinho Kobayashi-san numa Mclaren. Ele conquistou o meu coração com o seu jeitinho simples e pilotagem arrojada. Fiquei com tanta raiva da Sauber, mas sei que os milhões do Carlos Slim falaram alto.

    A Toyota vendeu quase dez milhões de automóveis no ano passado e poderia voltar, pelo menos, como fornecedora de motores. O pequeno Kamui foi um piloto formado pelo gigante japonês.

    Contudo, a Honda ajudará o Kamui-kun (como diria o povo do Japão). Assim, espero. Este menino não pode ficar de fora da F.1.

    Se dependesse de mim, teríamos a seguinte combinação: Mclaren+Honda+Mito.

    O japonesinho é fofo ou não é?

  25. Edgar Carvalho Toledano disse:

    Perdoe-me, mas só pode ser uma piada de mau gosto falar em Bruno Senna na Mclaren. A carreira do sobrinho do Ayrton foi vergonhosa, um desrespeito ao sobrenome do tio. O Bruno é um piloto pusilânime, que só chegou ao circo pelo sobrenome e pelos ingênuos patrocinadores que acreditaram que o rapaz tinha algum talento. Há pilotos de melhor técnica, de perícia mais apurada para guiar os carros da escuderia de Woking e, indiscutivelmente, o Bruno não é um deles. Acredito que ele esta mais para motorista do que para um “racer”. É estarrecedor pilotos talentosos perderem vagas na Fórmula 1 para “paydrivers” como este “playboyzinhos” de sobrenomes conhecidos.

    • Fernando Cruz disse:

      Ha partes do seu comentario que partem de premissas erradas. Alias muitos dos chamados corneteiros partem de premissas erradas para tirar as suas “conclusoes”, senao vejamos:

      1. Nao teve sucesso na F1, provando que so la chegou graças ao sobrenome e ao dinheiro – nada mais errado. Muitos pilotos chegam a F1 com todo o merito e depois nao tem sucesso na categoria maxima, pelas mais variadas razoes. O Bruno venceu no Monaco (algo so possivel com talento) e foi vice-campeao na GP2, apenas no seu quarto ano no automobilismo. So com o sobrenome e o dinheiro isso seria impossivel. Temos ate o exemplo do Damon Hill. Começou tarde como o Bruno mas demorou 10 anos a chegar a F1, apesar do sobrenome. Na categoria imediatamente anterior a F1 nem sequer ganhou uma unica corrida. O
      Bruno fez bem mais do que ele nas categorias de acesso, mostrando mais talento.

      2. Nao teve sucesso na F1 apesar do sobrenome e do dinheiro – na F1 o sobrenome e o dinheiro nao o ajudaram, antes pelo contrario. Muitos chefes de equipa tem preconceitos contra pilotos de sobrenome e o facto de ter começado tarde foi outro fator que o impediu de ter boas oportunidades na altura certa. Muita gente pensa “nao pode dar certo, começou tarde, ele so la esta graças ao sobrenome e ao dinheiro” e isso faz com que tudo seja ainda mais dificil. Por isso seria tao importante entrar com um grande construtor como a Honda. Entrando na altura certa e com um carro ganhador teria excelentes resultados. Isso permitiria
      quebrar a desconfiança de muitos chefes de equipa.

      3. Mesmo valendo-se do sobrenome e do dinheiro sempre foi dispensado por todas as equipas pelas quais correu – precisamente por nao ter tido as oportunidades que merecia na altura certa nao se desenvolveu bem durante muito tempo (2009 quase parado, 2010 com um carro muito fraco e mais meio ano parado em 2011 ate entrar com a Lotus em Spa). Por isso nunca poderia ter um
      desempenho sequer parecido com aquele que teria se tivesse entrado na altura certa, com o carro certo. Veja-se o que fez Damon Hill na F1 entrando na altura certa com um carro ganhador. O Bruno mostrou mais talento e fez bem mais do que o Hill nas categorias de acesso e claro que teria tambem excelentes resultados na F1 se tivesse oportunidades semelhantes as do Hill. Mas nao teve nada disso, teve o contrario. Depois fez so as ultimas 8 corridas de 2011 com a Lotus, enquanto na Williams fez so um ano em condiçoes precarias, num lugar que ja estava destinado para outro. Portanto faltou tempo para ter um desempenho
      melhor. Quase todos os pilotos melhoram muito num segundo ano com a mesma equipa, coisa que o Bruno nao teve na F1.

      4. Envergonhou o nome do tio – em primeiro lugar o tio jamais aceitaria ser usado como arma de arremesso contra o sobrinho. Se fosse vivo o Ayrton estaria sempre ao lado do Bruno e tudo teria sido muito diferente. Alem disso o Ayrton teria a inteligencia suficiente para perceber que tantas paragens na carreira fazem toda a diferença. Teria a inteligencia suficiente para perceber que o Bruno e uma pessoa diferente, com um historial bem diferente do dele. Teria a inteligencia suficiente para perceber que o Bruno fez o que era possivel com as condiçoes precarias que enfrentou na F1. Quem da o que tem a mais nao e obrigado. Por outro lado, sera que familiares de campeoes tem a obrigaçao de ter o mesmo talento e o mesmo sucesso dos seus predecessores? Sera que Nelson Piquet acha que o seu filho Nelsinho o envergonhou com o desempenho que teve na F1? Perguntem-lhe isso e a resposta nao devera ser nada meiga.

  26. Emanuel Botelho disse:

    Eu pensei que na Willimas o Bruno Senna fosse mostrar serviço e me convencesse de que não estava na F1, apenas por ser sobrinho do gênio. Infelizmente, eu em enganei. O desapontamento instalou-se em mim e decidi que não torceria mais para o Bruno. Não creio em seu retorno e, também, na opinião, a ausência dele é completamente irrelevante. Não basta o parentesco, ter o mesmo material genético para se “fabricar” um talento. Considero que nem minimamente um piloto razoável o Bruno é.

    A Mclaren deve ser conduzido por pilotos competentes.

  27. Cosme Couto disse:

    Será que o Fernando Cruz acha que o Bruno Senna é a última Coca-Cola do deserto? Será que ele está bem de saúde? Acorde, rapaz! Aliás, qual a sua idade? Faz quanto tempo que você acompanha a F1? Você viu o tio do Bruno pilotar?

  28. Mário Rossi disse:

    Prezado Sr. Fernando Cruz:

    Como ousa desrespeitar o Rubinho?

  29. Breno Witter disse:

    O jornalista Jonathan Noble escreveu, no ano passado, um artigo cujo título é: “Did McLaren pick the wrong Sauber man?”. Na visão dele, o japonês Kamui Kobayashi deveria ter sido contratado pela escuderia britânica, ao invés do mexicano S. Pérez. Concordo com o Sr. Noble.

    Mclaren + Honda + Kamui Kobayashi

  30. Ricardo de Oliveira disse:

    O Bruno Senna é cúmulo do absurdo na Mclaren Honda.

  31. Luciano Alexandrino disse:

    Christian Fittipaldi, Nelsinho Piquet e Bruno Senna são pilotos que apenas possuem sobrenomes famosos. Nas pistas, entretanto, demonstraram que são “comuns”. Eles não têm nada demais. Bruno é exclusivamente um bom pagante (só fez isso na F-1, tirando a vaga de profissionais mais talentosos).

    Admirável seria a Mclaren contratar o Kamui Kobayashi, o nosso Mito. Este, sim, mostrou serviço em suas passagens por Toyota e Sauber. Eu NÃO faço patriotada.

  32. Ricardo Lemos da Mota disse:

    O Bruno Senna parecia indolente ao volante ou ele apresenta problema de miopia. É um piloto débil que pouco produziu na Fórmula 1, sendo que se continuasse na categoria, seria um eterno pagante. Somente um inimputável por oligofrenia para achar que o sobrinho do Ayrton tem algum importância no automobilismo. Aliás, a pessoa que se apresenta como Fernando Cruz tem um perfil nitidamente fake, numa rede social:

    http://www.facebook.com/people/Fernando-Cruz/100003241992597

  33. Adriano Migandi disse:

    Uma escuderia da envergadura de uma McLaren não contrataria o Bruno, só por ele ser sobrinho do bem-sucedido Ayrton, seu ex-piloto. O tio foi tricampeão mundial exibindo técnica de pilotagem refinada e uma incomum genialidade.
    O Ayrton Senna é tido por muitos especialistas como o maior piloto da história da Fórmula 1. Ele era, incontestavelmente, um profissional diferenciado pela disciplina, determinação, competência e talento.
    O sobrenome Senna é, hoje em dia, sinônimo de vitórias nas pistas, de sucesso. Tudo graças ao destro brasileiro de nome Ayrton Senna.
    O sobrinho Bruno, porém, não mostrou a mesma desenvoltura nas corridas. Mesmo com o caminho facilitado pelo seu nome de família, o jovem mostrou-se um piloto com notórias deficiências e burlescos erros.
    Atraídos pelo sobrenome, patrocinadores não lhe faltaram, sendo, inclusive, um dos melhores pagantes da categoria, ao lado de um russo e de um indiano, sendo os três muito fracos.
    Em tempo algum provocou empolgação na imprensa especializada e, muito menos, nos torcedores, tendo, assim, um destino indigesto: banimento da F-1. Para esta temporada, o moço conversou com, pelo menos, cinco equipes, tendo recebido um não em todas as ocasiões. A sua mala de dinheiro não foi sequer capaz de seduzir os chefes dos times. No circo, nenhuma pessoa se deixa levar mais pela força do seu sobrenome, que foi construído pelo tio. Somente por este.
    Aliás, o nome do Bruno Senna sequer foi citado para substituir o posto vago pelo Lewis Hamilton na McLaren/Mercedes. Qualquer pessoa medianamente inteligente não contrataria o sobrinho do Ayrton para o lugar do Massa, na Ferrari, ou do Weber, na Red Bull. Nem com US$ 1bilhão do Eike Batista em patrocínio. Seria melhor ressuscitar o Ayrton.

    • Fernando Cruz disse:

      “Uma escuderia da envergadura de uma McLaren não contrataria o Bruno, só por ele ser sobrinho do bem-sucedido Ayrton, seu ex-piloto.”

      Obviamente que tem razao nesse ponto. Acho ate que mesmo que o Bruno tivesse entrado com a Brawn em 2009 e ganho corridas dificilmente iria para a McLaren. Ao contrario da Williams, a McLaren nunca contratou pilotos de sobrenome, mesmo
      quando estes sao ja relativamente bem sucedidos. Damon Hill foi campeao em 1996 e nao conseguiu entrar na McLaren depois de ser dispensado por Frank Williams, acabando por ter de assinar com a modesta Arrows. Por isso seria Button a ir na mesma para a McLaren (ate por ser ingles), ainda que o Bruno tivesse entrado com a Brawn e tivesse feito um excelente campeonato, inclusivamente ganhando algumas corridas.

      Quanto ao resto, pensem um pouco antes de falar. O Bruno tinha bons apoios para uma equipa media mas nao para equipas como a Marussia ou a Caterham. Nem o Bruno nem os seus patrocinadores aceitariam jamais por grandes quantias em equipas tao fracas. Para entrar na F1 e diferente, mas mesmo nessa altura o valor que o Bruno levou para a Campos/HRT era irrisorio. E o Bruno so foi para la porque na altura em que assinou toda a gente no paddock acreditava ainda que essa equipa teria um nivel minimamente aceitavel e que seria bem mais competitiva do que veio a revelar-se. Por contrato o Bruno nao levou absolutamente dinheiro nenhum para entrar com a Campos em 2010. A Embratel e o Banco Cruzeiro do Sul patrocinaram-no e apareceram nos flancos do carro, mas por contrato ele nao tinha qualquer obrigaçao de levar dinheiro. Colin Kolles nunca se conformou com isso (ter um estreante que contribuia pouco para o orçamento de uma equipa que tanto precisava de dinheiro) e fez tudo para o prejudicar, tentando ate tira-lo da equipa a meio do ano, mas sem sucesso.

      Acredito que o Bruno teria continuado na F1 este ano se nao tivesse falhado nas qualificaçoes o ano passado. Poderia nao ser na Williams (o lobby a favor do Bottas era muito forte) mas teria mais possibilidades de ir para a Force India. Mas uma coisa e certa: ele seria agora um piloto MUITO MELHOR se tivesse entrado em 2009 com a Honda ou a Brawn, como teria merecido. Estava no melhor da sua forma, a confiança estava no auge, e tenho a certeza que se tinha firmado na F1 a partir dessa altura.
      Provavelmente ganharia corridas na estreia (com um carro ganhador ate o Damon Hill ganhou e o Bruno mostrou mais talento do que o Hill nas categorias de acesso) e teria evoluido ainda muito mais a partir dessa altura.

      A saida da Honda alterou-lhe o rumo da carreira. Claro que com o Ayrton vivo tudo teria sido muito diferente. O Bruno poderia ate ter chegado a F1 muito jovem, com 19 ou 20 anos. Mas mesmo começando tarde como começou (nada provavel) certamente nao teria passado tantas dificuldades depois de 2008. A Honda podia sair na mesma por causa da crise financeira mas o Ayrton arranjaria forma de colocar o sobrinho na Brawn GP ao lado do Button. Exerceria a sua influencia para que os japoneses vendessem a equipa ao Ross Brawn ja com o Bruno garantido numa das vagas. O Ross tinha prometido a Barrichello que a vaga seria dele se fosse ele (Ross) a decidir, mas com o Bruno ja garantido o Rubens teria ido embora pacificamente e as coisas seguiam a sua ordem natural. Entrando nessa altura teria perspetivas de ter uma carreira longa e bem sucedida na F1. Convem
      lembrar que Damon Hill tinha ja 32 anos quando correu como titular ao lado do Prost, em 1993. Em 2009 o Bruno tinha apenas 25
      anos.

  34. Bernardo Viana Tesheiner disse:

    O folclórico leitor Fernando Cruz ataca outra vez. Trata-se de uma figurinha fácil em blogs de jornalistas, que comentam a Fórmula 1. O citado senhor aparece toda vez que o artigo versa sobre o Bruno Senna Lalli, ou para rebater as críticas que são feitas ao referido piloto. Assim, basta digitar no sistema de busca do Google os nomes do Fernando Cruz e do sobrinho do Ayrton para se ter uma noção. Cruz comenta, também, no blog do James Allen da rede BBC.

    Fernando já possui textos prontos e tudo o que ele faz é copiar e colar. No blog do Flavio Gomes, alguns missivistas acreditam que se trata do próprio Bruno Senna, da mãe Viviane, de outro parente, do empresário, da (o) namorada (o), do advogado ou de um amigo. Cruz conhece como ninguém a carreira do sobrinho do saudoso tricampeão. Ele é, indubitavelmente, um profundo perito da vida do Bruno. Até um “fake” no Facebook para fazer publicidade do piloto, ele tem.

    Ninguém, ninguém pode censurar o Bruno Lalli, que já surgem as famosas escusas (entrou tarde etc.). Num estratagema sórdido e a fim de desviar a atenção dos críticos, Fernando promove ataques covardes e gratuitos às carreiras de outros pilotos, em especial do japonês Kamui Kobayashi, o nosso Kobashow. Os alvos são, curiosamente, profissionais de melhores resultados que o Senna.

    No blog do Flavio Gomes, leitores desconfiam que ele seja, de fato, o próprio Lalli, pois este estaria com inveja pelo fato do Kobayashi ter mais popularidade, mais fãs em fóruns, blogs etc. do Brasil. Deve ser difícil para o sobrinho do Ayrton perceber que muitos brasileiros sentem mais a ausência do nipônico do que dele no circo. Outro motivo que causa a cólera do Cruz ou seja lá quem for, é o fato do Kamui ser apelidado de Mito. Para o Lalli (ou a Viviane), decerto, o único que pode ser denominado de Mito é o seu tio (ou irmão), ou seja, o gênio Ayrton. Ademais, sabe-se que os pilotos do Japão sempre foram vítimas de avacalhação pela inaptidão, mas Koba-san ganhou respeito nas pistas. Imagino que a irmã e o seu filho devem ter ficado com muita sanha do Satoru Nakajima, em certo acidente que custou a vitória do Ayrton, em 1990…

    O que as palavras da pessoa por traz do Fernando Cruz demonstram de forma patente, é a tentativa desesperada de dar uma resposta, uma justificativa ao nosso povo pelo fato do Bruno ter sucumbido na F-1. Realmente, criou-se uma expectativa muito grande em relação ao nome do sobrinho, um verdadeiro “tsunami”. Notei em entrevistas a grande emoção no rosto da irmã do Ayrton e, por óbvio, do próprio Bruno quando este chegou circo. Faz sentido, então, essa atitude de alguém da família (ou ele mesmo) de melhorar a imagem do Lalli Senna. Na rede, aliás, pode-se encontrar um artigo cujo título é “A carreira (imaginária) de Senna”. Nesta matéria, há um comentário do nosso estimado Fernando Cruz, prevendo que o Bruno Senna seria tricampeão mundial de F-1. Não se sabe ao certo se Cruz usou algum entorpecente ou consumiu muita “água que passarinho não bebe”, para proferir tamanha estultice.

    • Fernando Cruz disse:

      “Fernando promove ataques covardes e gratuitos às carreiras de outros pilotos, em especial do japonês Kamui Kobayashi.”

      E este texto abaixo que o leva a tirar conclusoes tao delirantes? Sera que acha que Kobayashi e a ultima coca-cola do deserto? Se pensa esta enganado. Nem o japones nem o Bruno sao a ultima coca-cola do deserto.

      “O Koba construiu uma boa reputaçao junto dos fas mas isso nao chega. Tres anos com bons carros e apenas um podio nao desperta muita atençao nos chefes de equipa. Perder para um colega que chegou depois dele a equipa (e a F1) tambem nao. A diferença foi de apenas 6 pontos (66 contra 60) mas e preciso ver que Perez nao voltou a marcar pontos apos ter assinado pela McLaren. Nas seis ultimas corridas cometeu alguns erros e teve tambem uma serie de azares que lhe roubaram muitos pontos (azares mecanicos ou acidentes onde nao teve responsabilidade). Caso contrario teria terminado o campeonato com muito mais pontos do que o seu colega japones. Foi um pouco como aconteceu na Williams. Maldonado marcou 45 e o Bruno 31 mas a diferença seria bem maior sem os erros do venezuelano. A diferença e que o Bruno perdeu 15 treinos livres enquanto o Kamui teve condiçoes iguais ao Perez. O Kamui teve alguns azares com acidentes em que nao teve responsabilidade (por exemplo no Monaco ou em Spa) e o mesmo aconteceu com o Bruno (por exemplo na Australia, na Alemanha, em Abu Dhabi ou no Brasil).”

      Mas mais delirante ainda e a ideia de que o Bruno alguma vez pudesse perder tempo a responder ao que se escreve em blogs. Ele nao liga nenhuma a essas opinioes destrutivas de certas pessoas…

      • Dirceu Manzini disse:

        Com o comentário acima, o Fernando Cruz está dando completa razão ao Bernardo Viana Tesheiner. Segui o conselho do Bernardo e identifiquei diversas manifestações do F. Cruz na Internet, em amparo ao Bruno Senna. São sempre textos idênticos, quando muito, meras tautologias.
        Se não for o próprio sobrinho do Ayrton ou algum parente, tenho certeza de que foi pago pela família Senna ou Lalli para “melhorar a imagem” do piloto, como foi dito pelo B. Tesheiner. Lamentável.

      • Hugo Leonardo disse:

        Fernando Cruz:

        Você é o filho (Bruno) ou mãe (Viviane)? O sobrinho do Ayrton parece ter “braços engessados”. Não é piloto para a Mclaren. Jamais!

      • Lélio de Castro Velloso disse:

        Não sou de comentar em blogs, mas é bom ficar vigilante, pois muitas “celebridades” tentar manipular as pessoas pela rede. O aviso do Bernardo Tesheiner é apropriado, uma vez que eu também já desconfiava do tal do Fernando Cruz.
        Acompanho as noticias das corridas das Fórmulas Indy e 1, nas redes sociais, em fóruns, blogs etc. Realmente, a pessoa que emprega o nome Fernando Cruz, só pode ser algum parente ou o próprio Bruno Senna.
        O nome do Bruno jamais foi trazido à baila como o possível substituto do Schumacher, na Mercedes-Benz, e tampouco na Mclaren, no lugar do Hamilton. Fora da Fórmula 1, nenhum jornalista ousa dizer o sobrenome do Senna para os lugares do Mark Weber, na RBR, e do Massa, na Ferrari. Assim sendo, mesmo com o regresso da Honda e a entrada da P&G como patrocinadora do esquadra de Woking, não é presumível que o sobrinho do Ayrton volte.
        O perfil da escuderia inglesa é contratar profissionais com potencial fidedigno de se tornarem futuros campeões como o Ayrton, o Prost, o Mika, o Lewis etc., coisa que nenhum amante perspicaz do automobilismo consegue enxergar em Bruno Senna. A Mclaren não necessita de pagantes, pois ela tem aptidão para atrair, por si só, bons patrocinadores. A marca Mclaren é extremamente forte. O Senna só voltara na Marussia ou na Caterham, mediante pagamento de milionárias cotas de patrocínio.

  35. Mariano Videira disse:

    O Bruno é um piloto de pouco valor. Não acho que a inglesa Mclaren possa se interessar pelo Senna, ainda que este leve muitos bons patrocinadores. Nem o seu sobrenome foi capaz de ajudá-lo a não ser demitido pelo Frank Williams…

    • Fernando Cruz disse:

      O contrato do Bruno com a Williams era so por um ano, portanto nao foi demitido. Jenson Button tambem saiu da Williams apos um ano na equipa e para o seu lugar foi o estreante Montoya.

      Recentemente ate Mika Salo (finlandes como Bottas) ja veio dizer que o Bruno merecia ficar na F1 e que quando assinou pela Williams ja era certo que seria so por um ano, pois Bottas estava garantido para 2013.

    • Fernando Cruz disse:

      O contrato do Bruno era so por um ano, portanto nao foi demitido. No final de 2000 o Button tambem saiu da Williams, na altura para dar lugar ao estreante Montoya.

      Recentemente ate o Mika Salo (finlandes como Bottas) veio dizer que o Bruno merecia ficar na F1 e que quando assinou com a Williams ja era certo que seria so por um ano, pois Bottas ja estava garantido para 2013.

  36. Gerônimo Motta de Souza disse:

    O tal do Bruno Senna é só o “sobrinho do Ayrton” ou o “piloto pagante”, sem talento algum. A Mclaren merece algo melhor.

  37. Valdemar Domingos ( Valsenninha) disse:

    Boa Tarde.

    Andei lendo todos os comentários e sinceramente, não dá pra responder a todos particularmente. Mas aqui vai a minha opinião!!!

    Bruno Senna, é um piloto talentoso – piloto telentoso é aquele que tem uma capacidade inata para conduzir carros de competição, e isso é inegável, Bruno Senna é muito rápido, tal como têm que ser todos os pilotos que chegam a F1. Quem acompanhou a sua carreira comprovou isso mesmo, para um piloto que não teve kart’s, que teve que pular erradamente etapas de formação, ele é muito talentoso. A pergunta é isso chega????? Garantidamente que não. E pq não, simplesmente pq há outros interesses. Sobretudo financeiros.

    A meu ver, Bruno Senna tem um problema adicional para resolver, e para poder ter sucesso na F1, o facto de ter tido sempre carros com potencial vencedor nas categorias de promoção, mas não ter tido como foco principal ser Campeão lhe penalizou pois é visto como alguém que nunca foi campeão e o tempo não volta, se não fosse o episódio do cachorro na Turquia quando liderava, talvez a história fosse outra, e sobretudo se entra na F1 em 2009 mesmo pela FI, talvez seria melhor, mas enfim a vida não é feita de Ses.

    Vamos a factos, a McLaren é uma equipa de ponta, mas se repararmos, teve sempre um piloto super rápido e um mais cerebral, e quase sempre mais velho, para garantir pontos, não custa pensar que Senna pode ser o futuro Button na McLaren, vamos ver. Ele tem 30 anos, ainda vai bem a tempo de ser o pensador da equipa, enquanto o mais novo será a lebre para os títulos, mas a meu ver, esse anúncio peca por tardio, se fosse antes do WEC, acredito que Senna entraria para terceiro piloto, agora duvido.

    Mas vamos ver as performances de Bruno Senna, e sejamos honestos, será que o Bruno Senna fez menos que muitos pilotos que lá continuam???? Acho que não.

    O grande problema dos Brasileiros como o Bruno Senna, é precisamente Ayrton Senna.

    Mas deviam perceber que Ayrton Senna não tem igual no mundo e nem terá nos próximos 20 anos. Bruno Senna é sobretudo um piloto cerebral, e igualmente rápido, o resto são conjecturas, que podem ou não funcionar, e nesse caso não funcionou.

    Muitos falam das dispensas das equipas em que Senna esteve na F1, eu diria que na Hispania ele não foi dispensado, a equipa precisava de dinheiro, mas Bruno não quis investir na equipa, nada mais lógico, foi para a Lotus e esta estava de rastos, umas boas performances, mas mais uma vez, Grosjean tinha mais dinheiro, como disse Alesi. Foi para a William’s que precisava de dinheiro, e estava a preparar o Bottas, e mais uma vez, o Bottas levou mais dinheiro, além de já estar a ser preparado para entrar em 2013, tal como aconteceu. Em todas as equipas Bruno fez o suficiente para Ficar, mas não foi favorecido pela actual situação, sobretudo pq não tem dinheiro. Se fosse pelo talento, deste actual plantel estariam apenas cerca de 6 ou 8 pilotos.

    Agora Bruno Senna para ser considerado, tem que trazer o campeonato de WEC, e depois ter a sorte de as coisas com a Honda darem certo. Pq ou muito me engano, ou se a Honda entra para a F1 Bruno Senna é um dos pilotos de alguma das equipas, e pode mesmo ser na McLaren, Kobayashi tbm é uma possibilidade.

    Aqui se fala muito das qualidades do piloto, Kobayashi foi que na GP2????? Na F1 não foi melhor??? pq não ficou???? Dinheiro.

    Não se espantem de ver uma dupla Kobayashi-Senna numa equipa bancada pela Honda, mas a primazia da Honda é Senna e não Kobayashi.

    Portanto, creio que não nos devemos enganar, Bruno Senna é bom piloto, suficiente para ter o sucesso de um Webber, de um Button, um Barrichello, algo do género, agora é verdade que não é um Hamilton, um Vettel, enfim, lhe falta sobretudo resolver o bloqueio psicológico que a morte do Tio deixou nele e na Família sobretudo, e acho que é a Família que o limita. É do tipo, podes correr mas n te mates, isso retira logo meio segundo, o que na F1 é muito….

    Sendo assim, vamos ser ponderados, não há ninguém sem talento que chega a F1, eles são todos muito bons, mas nem todos podem ganhar, e muitas vezes, nós achamos que eles têm todas as condições e por vezes não têm… eu tenho a certeza que Maldonado na Williams tem mais mordomias que todos os outros pilotos e vamos ver isso com o Bottas, no fim do ano falamos sobre isso.

    Caro Fernando Cruz, não vale a pena andar a defender o Bruno Senna, pois quem sabe ver piloto bom, fica a rir com o que muito dizem… é preciso saber encarar um volante a 300 a horas e não deixar o carro virar e responder bem rápido como na Corrida do Bruno em Valência após o toque com Kobayashi para saber o que é ser piloto. Muitos só vêm resultados e os resultados são muito mascarados.

    Cumprimentos.

    • Diogo Chinelato da Silva disse:

      A que ponto o Fernando Cruz chegou! Indiquem um psicólogo para ele! Até um guri ou uma guria saberia dizer que quem escreveu o texto assinado pelo Valdemar Domingos, vulgo, Valsenninha, foi o próprio Fernando Cruz. Além de servir-se de um “fake” no Facebook, passou a valer-se de nomes falsos para macular o conceito que as pessoas têm do Kobayashi. Com tal procedimento, ele está submetendo o nome da família Senna ao escárnio e dando azo a comentários como o do Tesheiner. Se o saudoso Ayrton Senna estivesse vivo, será que ele aprovaria tal conduta? O Bruno consentiria com tal comportamento? Visitarei a página do piloto.
      Combinações como Honda + Kamui Kobayahi, Honda + Mclaren e, até mesmo, Honda + Bruno Senna devem estar sendo feitas, diariamente, por muitos internautas do mundo. Provavelmente, muitos chegarão a este blog e terão de ler as indelicadezas de certos leitores, entre os quais o Fernando Cruz e o Bernardo Viana.
      Nós, brasileiros, sabemos que a sua explanação é distinta da nossa. Já fiz pós-graduação em Portugal. Não tem como se ocultar.

      • Fernando Cruz disse:

        Mais um comentario delirante! O Fernando Cruz e portugues e Valdemar Domingos e angolano! Em comum temos o facto de gostarmos do Bruno, repeitarmos as suas limitaçoes e acreditarmos no seu talento e potencial de evoluçao. Mas ate divergimos em alguns pontos, o que e mais do que natural.

        Mas ja que fala em Ayrton Senna responda as seguinte perguntas: sera que o Ayrton iria gostar de ser usado como arma de arremesso contra o Bruno? Nao estaria ele totalmente ao lado do Bruno, ao contrario do que fazem muitos brasileiros?

        Pois e, se o Ayrton fosse vivo podem ter a certeza que apoiaria o Bruno de forma incondicional! Este teria certamente muito melhores oportunidades na F1 (chegaria bem mais cedo e com uma preparaçao melhor), mas mesmo que assim nao fosse teria certamente todo o apoio do seu tio. Seria impensavel por exemplo perder a vaga na Brawn em 2009 para um piloto que ja estava na F1 ha 16 anos! Isto numa altura em que o Bruno estava no melhor da sua forma, depois de uma excelente temporada na GP2 e de um teste igualmente excelente com a Honda!

        Alem disso, uma coisa que o Ayrton nao suportava era a hipocrisia. Ele seria portanto o primeiro a defender o sobrinho com unhas e dentes contra aqueles que hipocritamente o acusam de ter chegado a F1 apenas graças ao sobrenome e ao dinheiro! Um piloto que ganha no Monaco na GP2, que e vice-campeao apos apenas 4 anos nos formulas tem que ter um talento inegavel e jamais devia ter sido visto como mero pagante! A necessidade de levar muito dinheiro tornou-se mais premente apos a saida da Honda! Foi a crise financeira que fez com que pilotos talentosos como o Bruno nao tivessem as oportunidades que mereciam na altura certa! Foi isso que acabou por afasta-lo do caminho do sucesso na F1! Ate porque depois de 2009 e com a enorme restriçao aos testes o preconceito de certos chefes de equipa tambem acabou por falar mais alto, ou seja o sobrenome nao o ajudou, pelo contrario, so atrapalhou!!! Por isso chega de demagogia barata, chega de hipocrisia!

    • Otávio Bustamante disse:

      Ninguém sabe que o Valsenninha é o Fernando Cruz…

    • Fredie T. Baltazar disse:

      11/04/2013.

      Caro Fernando Cruz:

      Utilizando-se de tal ardil, o senhor acaba por jogar fora todos os argumentos em prol do Bruno Senna. Entra pelos olhos da cara que é o Fernando Cruz por traz do apontamento acima. O modo de compor acabou, evidentemente, denunciando-o. Revela-se, assim, um adulto de má índole e, mormente, pueril. Creio que a família Senna não necessita ser defendida por alguém com os citados pormenores. Recolha-se à sua insignificância!

      Muito cordialmente,
      Fredie T. Baltazar

    • Nélson Goldstein disse:

      BloGP:

      Valdemar Domingos (Valsenninha) = Fernando Cruz

      Fernando Cruz, em 5 de março de 2013, às 9:44, disse:

      “Alem do Grande Premio e do Blog de Felipe Motta, participo regularmente no James Allen on F1, F1 Fanatic e autosport portugues (neste ultimo usando um nick e nao o meu proprio nome). As minhas participaçoes nao se limitam a defesa de um piloto que admiro. No autosport portugues participo ha 7 anos, com incontaveis artigos e comentários…”

      O GOOGLE está aí para espancar qualquer dúvida! Fernando Cruz ou Valsenninha é o nosso amigo portuga!

      Blog do Flavio Gomes
      GRID FECHADO (OU QUASE):
      http://flaviogomes.warmup.com.br/2013/02/grid-fechado-ou-quase/

    • Euclides disse:

      Fernando,
      O que você faz é patológico. Não deve ter recebido afeto dos pais e deve ser alguém isolado do mundo. Não tomou o remedinho? Mas torço pela sua recuperação.

    • Fernando Cruz disse:

      Caro Valdemar,

      Realmente e mesmo inacreditavel ler certas coisas que se tem escrito nos ultimos anos, sobretudo em blogs brasileiros. Muitos brasileiros parecem completamente alienados, parece que exigem que todos os seus pilotos tenham o mesmo nivel dos 3 Grandes Campeoes que lhes deram 8 titulos! Em especial para um simples portugues como eu continua a ser dificil entender tanta discrepancia entre o apoio que nos em Portugal damos aos nossos pilotos e a forma como aqui no Brasil tratam os pilotos deles! Muita gente parece ignorar que no automobilismo o sucesso depende de muitos fatores que nada tem a ver com a qualidade dos pilotos. Em especial na F1 tudo depende muito da sorte, das oportunidades, do carro, de fatores politicos, de fatores financeiros. Mas para muita gente parece que nao, parece que e so chegar ver e vencer, independentemente das condiçoes. Enfim…

      Agora quanto ao eventual bloqueio psicologico que impediria o Bruno de ser mais rapido, nao acho que essa seja a razao que o levou a falhar nas qualificaçoes com a Williams. Tal como ja tenho dito varias vezes no autosport portugues, a questao dos pneus foi o fator principal, mais ainda do que a perda dos treinos livres para o Bottas. Acredito que com os pneus de 2013 o Bruno voltaria a ser rapido como sempre foi e mostrou isso bem em 2011 com a Lotus ao qualificar-se 4 vezes para o Q3. Mas claro que o Bruno teria feito MUITO MELHOR se tem entrado na altura certa, em 2009. Os 3 anos que passou sem uma temporada normal prejudicaram-no muito, sobretudo em termos de confiança. Perdeu toda a embalagem com que vinha da GP2 e isso foi o mais prejudicial para a sua carreira. Ate por isso tambem nao concordo quando se diz que tem possibilidades reais de voltar a F1 e acho ate um absurdo pensar-se que pode voltar para uma equipa como a McLaren. Para mim a unica possibilidade de voltarmos a ve-lo na F1 seria com um contrato de longa duraçao com uma Honda por exemplo ou entao criando a sua propria equipa, uma Senna Racing, ou outra equipa brasileira. Como tambem nao acredito em nenhum destes cenarios e melhor esquecermos a F1 e concentrarmo-nos noutras categorias. Isto no que ao Bruno diz respeito, porque como portugues aguardo ansiosamente a chegada do Antonio Felix da Costa, um piloto que acredito poder vir a ser um fora de serie se for bem aproveitado pela F1.

      Cumprimentos

      • Valdemar Domingos ( Valsenninha) disse:

        Boas Caro Fernando…

        Realmente estes brasileiros deliram muito… onde já se viu alguém criar “fakes” para defender este ou aquele…

        Nós já debatemos este assunto, várias vezes no Autosport e continuo a achar que a limitação do Bruno Senna deve ser algo subconsciente com a sua familia e por tudo o que já aconteceu, mas enfim, vamos ver o que faz no WEC.

        Quanto ao regresso a F1, o Livio, chegou a escrever e ouvi uma entrevista do Bruno onde diz, que tentou a McLaren, e que não deu pra este ano, mas ficou nas entrelinhas que não ficou completamente fechada a porta da F1 para ele, pois uma evidência, é que ele só assinou um contrato de um ano com a Aston, e eu diria que mais para readquirir confiança e não ficar parado, e tentar o tal título que ele persegue… minha humilde opinião.

        De resto, deixa os Zucas andarem amargurados, pois eles com isso vão perdendo o comboio dos bons pilotos, e os outros países das américas latinas estão a melhorar muito…

        Um grande abraço e prometo que quando for a Portugal vamos beber um copo com os Prostistas e Piquetistas…

        Aquele abraço desde Luanda…

        • Fernando Cruz disse:

          Caro Valdemar,

          Eu tambem li qualquer coisa (ou seriam so rumores?) acerca de o Bruno ter tentado ser piloto reserva da McLaren, mas que nao foi possivel. Seria possivel mais tarde com o apoio da Gillette e (possivelmente) da Honda? Mas de que serviria ser piloto de reserva? A verdade e que o Bruno, infelizmente, nao teve na F1 as oportunidades que lhe permitissem criar uma boa imagem junto dos chefes de equipa. Deixou boa imagem junto da Lotus e da Williams mais pelo feedback tecnico e nao tanto pelos resultados ou exibiçoes. Mas claro que vamos sempre apoia-lo, seja em que categoria for. No autosport portugues tambem enfrentamos juntos alguns corneteiros e sempre nos mantivemos firmes. E agora tenho de admitir que fiquei feliz pela chegada do ValSenninha tambem deste lado do atlantico, mesmo que tenha sido so por esta vez.

          Um abraço desde Lisboa…

          • Valdemar Domingos ( Valsenninha) disse:

            Caro Fernando…

            Eu tenho a certeza que o problema de Bruno Senna na F1 não é a imagem que tem junto dos Chefes de equipa, que creio ser boa, o problema é mesmo que os outros levam mais dinheiro e ainda são mais novos, dá mais esperança… e depois todos eles foram campeões em alguma coisa… O Bruno com 29 anos, ainda não foi campeão e ainda por cima, não tem todo esse apoio financeiro que se fala… talvez agora…

            O Bruno como piloto reserva da McLaren seria sempre na perspectiva de ocupar a vaga de Button, pois o outro lugar é para o piloto rápido, a tal lebre, ele é óptimo a nível de desenvolvimento, é isso que se ouve nos paddock’s. Tecnicamente muito bom, muito inteligente, mas não é lento pelo contrário, o que parece é que não acelera tanto quanto poderia.

            Eu me lembro das palavras de Alesi, e de Salo ( aque até criticou Bruno no início da época, mas depois reconheceu que estava errado), de que o Brasileiro é um óptimo piloto, não do nível do Vettell, Alonso, Hamilton, mas melhor que Massa por exemplo…

            Mas enfim, vamos acompanhar… e esses brazucas não nos aguentam… Senna’s forever!!!

            Aquele abraço Angolano

  38. Celso Marques disse:

    O sobrenome conhecido ajudou o Bruno Senna a obter múltiplos patrocinadores como a MRV Engenharia, a Head and Shoulders, a Embratel, a Gillette, o grupo do Eike Batista, o Banco Santander etc. O indiano Narain Karthikeyan foi intensamente apoiado pelo grupo do Ratan Tata. O russo Vitaly Petrov também tinha a sua “mala pesada” (Sibur, Russian Helicopters etc.). Atualmente, o inglês Max Chilton e o neerlandês Giedo van der Garde apresentam os melhores “currículos”.
    Todos têm em comum que são excelentes pilotos pagantes, mas vale deixar, cá, uma frase do ex-F-1 Rubens Barrichello:

    “Hoje, não é mais 100% de talento na Fórmula 1. Todos sabem que existem vagas compradas. O mundo é assim. Você pode até entrar na categoria com dinheiro, mas não fica lá se não for bom o suficiente.”

    O Senna, o Karthikeyan e o Petrov compreendem, perfeitamente, esta frase. No futuro, será que o Chilton e o van der Garde darão razão ao Rubinho?

    • Valdemar Domingos ( Valsenninha) disse:

      Compreendo o seu raciocínio, mas deixe-me lhe dizer uma coisinha!!!

      Na Situação do Bruno, será que não merecia uma época na Lotus em 2012??? ou uma Época na William’s em 2013, depois do que fez em 2011 com a Lotus e em 2012 com a William’s????

      Temos muitos exemplos de pilotos que tiveram muito piores prestações e continuaram na F1, mesmo recentemente….

      Cumps

    • Fernando Cruz disse:

      O proprio Barrichello reconheceu que tambem pagou nos seus primeiros anos de F1 e que so depois se garantiu graças ao talento. Mas nem todos tem as mesmas oportunidades e o mesmo tempo para se desenvolverem. Por merito o Bruno teria entrado com a Honda ou a Brawn em 2009 e o proprio Barrichello reconheceu na altura que teve muita sorte com a falta de testes, o que veio valorizar os mais experientes e prejudicar os novos talentos. O Ross Brawn tinha prometido ao Barrichello que se a decisao fosse dele o veterano iria continuar, mas se a Honda nao tivesse abandonado o Bruno faria muitos testes durante o defeso e seria o piloto escolhido pelos japoneses. Entrando em 2009 no melhor da sua forma o Bruno faria um excelente campeonato e certamente iria desenvolver-se muito mais a partir dessa altura.

      No fundo o Barrichello sabe que so ganhou essa vaga ao Bruno na secretaria e nao no braço e sabe tambem os efeitos negativos que isso acabou por ter na carreira (e tambem na imagem) do Bruno Senna. Por isso acho que essas palavras de Barrichello nao se referiam ao Bruno, caso contrario ele estaria a ser hipocrita.

  39. Mauricio Slomp disse:

    O Bruno Senna só conseguiria manter-se no circo como piloto pagante. Ano após ano, ele teria de correr atrás de uma escuderia com os seus patrocinadores, como vinha acontecendo. O Senna seria uma espécie de Pedro Paulo Diniz, que só comprou vagas durante o tempo que permaneceu na categoria (Arrows, Ligier, Sauber etc.). Pedro Paulo é filho do bilionário Abilio dos Santos Diniz, que é um dos homens mais abastados do mundo. A família do empresário fundou a rede de supermercados Pão de Açúcar. Pedro e Bruno passaram despercebidos pela Fórmula 1. O primeiro é mais lembrado pela riqueza e o segundo, por ser sobrinho do Ayrton.

  40. Nélson Goldstein disse:

    Não publicaram o meu comentário. Eu insisto em dizer que o Valdemar Domingos (Valsenninha) e o Fernando Cruz são a mesma pessoa.

    No blog do Flávio Gomes, o Fernando Cruz disse:
    http://flaviogomes.warmup.com.br/2013/02/grid-fechado-ou-quase/

    “Alem do Grande Premio e do Blog de Felipe Motta, participo regularmente no James Allen on F1, F1 Fanatic e autosport portugues (neste ultimo usando um nick e nao o meu proprio nome). As minhas participaçoes nao se limitam a defesa de um piloto que admiro. No autosport portugues participo ha 7 anos, com incontaveis artigos e comentários…”

    Observem, atentamente: “autosport portugues (neste ultimo usando um nick e nao o meu proprio nome).”

    O idioma oficial de Angola e de Portugal é o português. O estilo de escrita é idêntico do Valdemar e do Fernando. Aliás, reparem bem nos intervalos em que os comentários foram postados. A equipe do BloGP leva um tempo para liberar as opiniões dos leitores… Só não vê , quem não quer…

  41. Wesley Camargo Rettondini disse:

    NÃO PUBLICAR ESTE COMENTÁRIO!
    NÃO PUBLICAR ESTE COMENTÁRIO!

    Senhor Flavio Gomes e Blog GP:

    O Fernando Cruz é, na verdade, o “fake” de um angolano de 34 anos de idade, que reside em Portugal. O seu nome verdadeiro é Valdemar Domingos, cuja alcunha é ValSenninha. Trata-se de um homem negro, que é deveras apaixonado por automobilismo e, especialmente, pelo nosso Ayrton Senna. Seguramente, um torcedor fervoroso do Ayrton.

    Assim, o Valdemar Domingos defende com unhas e dentes o Bruno Senna, que é o sobrinho do saudoso tricampeão. Em blogs de jornalistas brasileiros e pelo Facebook, o Valdemar Domingos usa o nome de Fernando Cruz. O perfil na citada rede social é, claramente, falso. No blog do James Allen, da BBC, ele também se identifica como Fernando Cruz. Em Portugal, aliás, o Valdemar Domingos participa de campeonatos de kart.

    Notem que qualquer censura que algum internauta faz ao Bruno, nunca, jamais fica sem resposta. Em “Grid Fechado ou Quase”, que foi criado pelo Gomes no mês passado, o Valdemar Domingos responde por mais de 50% dos mais de 100 comentários e, ainda hoje, visita o tópico para rebater qualquer julgamento ruim, que fizerem sobre o Bruno Senna. Em “Gillette na Mclaren”, do Blog GP, ocorre a mesma coisa. Em outros blogs, também.

    Apenas em sítios lusitanos, o Valdemar Domingos se apresenta como tal. Como exaustivamente dito no blog do Flávio Gomes, se digitarmos Fernando Cruz e Bruno Senna surgirão incontáveis registros pela rede. Alguns leitores do Flavio acusaram o Fernando Cruz de ser o próprio piloto ou algum parente, mas estão todos equivocados. Dêem uma olhadela na escrita (equipas, factos etc.). Naturalmente, todos sabem que o Brasil, Angola e Portugal compartilham o mesmo idioma. Contudo, ao se abrir um livro português percebemos algumas pequenas diferenças.

    No Blog GP, no tópico “Gillette na Mclaren”, o Valdemar Domingos passou a empregar o seu real nome e, concomitantemente, a sua identidade falsa. O motivo foi que ele não estava dando conta das inúmeras críticas que o Bruno Senna vinha recebendo. Ademais, passou a lançar notícias falsas, como, por exemplo, insinuando que a Honda estaria por auxiliar o sobrinho do Ayrton, em seu retorno ao circo. Mais recentemente, no Blog do Flavio Gomes, o Valdemar Domingos também passou a utilizar-se do embuste, mencionando que o chefe da Force India não via potencial no Kamui Kobayashi, para recusá-lo na escuderia. Tal informação não é correta, pois o hindu sempre esteve entre o Sutil e o Bianchi.

    No blog do Gomes, o Valdemar Domingos chegou a confessar para um leitor que se utilizava de um “fake” para conversar no “autosport” de Portugal. Na verdade, aqui, o “fake” é o perfil verdadeiro. Só não acho correta tal atitude, pois acaba estragando os debates nos blogs nacionais. Além disso, acredito que é uma postura antiética e bem covarde do rapaz lanças notícias falsas para enganar os brasileiros. Quantos através do Google chegarão aos blogs do FG e do GP. Tenho certeza de que muitos lêem os diálogos que são travados entre os internautas. Por isso, faço este comunicado para tomarem muito cuidado.

    Eu acompanho os blog do FG e do GP, sendo que já coloquei as minhas opiniões em ambos.

    Sou Wesley Camargo Rettondini.
    Contacto: [email protected]

    • Fernando Cruz disse:

      Mas que grande imaginaçao! O Valdemar Domingos so agora apareceu nos blogs do GP, pelo menos que eu saiba. No autosport portugues ele e meu parceiro com o nick “ValSenninha” sendo o meu “razao”. Antes de usar esse nick eu, Fernando Cruz, fa portugues do Bruno Senna, usava os nicks Senna_f1 e Gilles_Senna. Foi alias com este ultimo que entrei pela primeira vez no blog do Grande Premio, no final de 2010. No facebook nao tenho nenhum perfil fake, isso e outra invençao. Simplesmente nao coloquei foto no meu perfil do facebook.

      Nao façam uma tempestade num copo de agua. Somos todos (leitores e participantes de blogs brasileiros, portugueses, ingleses, etc.) apenas adeptos de automobilismo, em especial de F1, e todos temos as nossas preferencias. Limito-me a defender um piloto que admiro pelo seu historial e pelo qual tenho apreço tambem pelos laços familiares com Ayrton Senna.

      Quanto a suposta noticia relativa ao Kobayashi e a Force India, eu ja expliquei tudo em resposta a um leitor no blog do Flavio Gomes. Nao foi noticia nenhuma, mas sim apenas alguem no Facebook da Force India que disse que o Mallya disse…Ou seja, pode nao ser verdade que o Mallya tenha dito isso relativamente quer ao japones quer ao Bruno. O que penso ser inegavel e que tanto um piloto como o outro negociaram com a Force India sem sucesso, pois esta esteve sempre praticamente focada e dividida apenas entre dois candidatos, Sutil e Bianchi. Espero assim que nao haja mais equivocos ou mas interpretaçoes e que este assunto morra por aqui.

      Fernando Cruz

      (leitor e participante nos blogs Grande Premio, Blog de Felipe Motta, F1 Fanatic, James Allen on F1 e autosport.pt)

      • Ana Claudia Zimmermann disse:

        O Valdemar Domingos (Valsenninha) ou Fernando Cruz é tão bonito que poderia ser capa, no Brasil, da revista G Magazine. Eu compraria… Por aqui, os afro-brasileiros estão entre os preferidos das mulheres, pelos diversos atributos físicos…
        O Bruninho Senna merece, sim, uma nova oportunidade na Fórmula 1, pois ele é um dos pilotos mais lindos que passaram pela categoria. O Ayrton era um Deus grego, um gato! O Bruninho tem muito talento também, como disse o Valdemar/Fernando. O Bruninho é discriminado por ser bonito e sobrinho do melhor piloto da história da F1.
        Já salvei a sua foto no meu computador. Se vier ao Brasil, pode me procurar, viu? Você fará sucesso com a mulherada. O Brasil é um país de forte mestiçagem.

        Valdemar Domingos ou Fernando Cruz:
        http://autosport.sapo.pt/gen.pl?p=users&user=2971&op=view

      • Edu Santana disse:

        Valdemar!!!

        Fala, negão!!! Vem pra cá! Vem pro Brasil! Também sou da cor!
        Bota a sua cara a tapa pra bater como a negada do Brasil faz! Não precisa se esconder atrás do Fernando Cruz, não! Também cheguei à mesma conclusão dos outros. É tu mesmo, meu irmão!!! Tá com medo de ser discriminado???
        O Brasil tá bacana, hoje! Tem negão na suprema corte do país, nas faculdades, na política, na televisão, em muitos esportes, nas artes etc. O que tá faltando é brasileiro negão na F-1. O Brasil tá melhor que Portugal e Angola. Vem pra cá, negão!!! O Brasil tá cheio de loura com negão. Vai???

      • José Carlos Penido disse:

        Estou de acordo com o nosso colega lusitano-angolense Valdemar Fernando Domingos Cruz (Valnandosenninha). Só temos um piloto na F1: Felipe Massa. Se o “Massacrado” for colocado para escanteio pela Ferrari, não haverá mais qualquer atrativo para eu acompanhar as corridas. Quero o Bruno Senna na Marussia ou na Caterham.

      • Jurema Santos disse:

        Querido Valdemar Domingos (Valsenninha):

        Seja bem-vindo! O nosso povo é caloroso e temos muita consideração pela continente africano e por Portugal. Pode tirar o capacete que o senhor deve ser lindo, assim como são bonitos todos os negros do mundo. Vi a sua foto no Autosport, bem como as suas anotações. Muito obrigada por ser fã de um dos brasileiros mais notáveis que esta nação já teve, ou seja, o Ayrton Senna. O seu carinho e a sua admiração se estenderam ao Bruno. É inteiramente compreensível.
        Dá para deduzir o porquê de ter criado o Fernando Cruz numa rede social e, agora, agir como o senhor mesmo. É o amor incondicional ao ídolo e a seu sobrinho. O Valdemar ValSenninha é um homem fiel ao Mito Ayrton e protegerá o Bruno custe o que custar.
        Os meus aplausos para o senhor!

        Jurema

      • Eugênio Florenzano disse:

        Nobres Colegas:

        Vamos disfarçar que acreditamos no angolano Valdemar Domingos e no seu Frankenstein lusitano Fernando Cruz. Faça-me o favor! Daqui a pouco teremos, no BloGP, comentaristas de Moçambique, de Guiné Equatorial, de Guiné-Bissau, do Timor-Leste, de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe, pois todos falam português. O dito-cujo pensa que os brasileiros são palermas.

      • Zelmo S. Dornelles disse:

        O mais engraçado é que o Valdemar Domingos ou Fernando Cruz declarou no blog do Flavio Gomes ter 50 anos de idade. Pelo perfil dele no Autosport de Portugal, o sujeito tem 34 anos e é estudante. Deve ser, possivelmente, um “estudante profissional”, pois ele possui milhares de opiniões sobre automobilismo e o Bruno Senna espalhadas pela Internet. Acho que o Valsenninha deve ser um angolano endinheirado, ao contrário de boa parte da população do seu país. O indivíduo deveria doar parte de sua fortuna para ajudar os seus conterrâneos. O cara tem até pecúnia para brincar de cart em Portugal.

      • Heleno Godoy disse:

        O Valdemar Domingos conta um monte de lorotas para nós e ainda é convidado a visitar o Brasil e chamado de lindo. Ainda tem um tresloucado aí abaixo, que mais parece um integrante do movimento negro… O Domingos deveria trocar o seu cognome para “Fernando Loroteiro”, ao invés de Valsenninha.
        Usarei a foto do Valdemar para assustar as criancinhas no “Halloween”.

  42. Ricardo Silva disse:

    Caro Valdemar Domingos,
    Com satisfação, eu descubro que tu és um filho da nossa querida Mãe África. Logo, você é o nosso irmão negro, pois muitos de nós, no Brasil, somos afrodescendentes.
    O nosso herói nacional é o Zumbi dos Palmares, sendo que todos somos herdeiros dele e, assim, guerreiros por natureza. Somos negros, somos afro-brasileiros!
    O meu país tem uma lei (n.º 10.639/2003) que obriga as escolas a ministrar cultura africana e afro-brasileira, além de sistema de cotas para negros para ingresso nas universidades e concursos públicos.
    O Dr. Joaquim Barbosa é um dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal, que é o órgão máximo do Poder Judiciário. O Pelé foi o maior jogador de futebol da história. O Anderson Silva é o melhor lutador do UFC. A ginasta Daiane dos Santos conquistou inúmeras medalhas. Muitos negros fazem sucesso na minha terra.
    Independentemente das nossas nacionalidades, somos todos irmãos negros. Eu, você, Barack Obama, Denzel Washigton etc. somos filhos da Mãe África. No meu entender, o Lewis Hamilton nos representa muito mais do que o Bruno Senna. Tenho respeito por sua análise em relação ao piloto brasileiro, mas acho que você deveria enaltecer ainda mais a carreira do afro-inglês.
    O meu povo negro aprendeu a ser orgulhar de nossa raça e a lutar contra o racismo. Deste modo, julgo que você não deve temer em expor o seu roto e a majestosa cor da nossa pele. Não crie, assim, personagens fictícios para divulgar os seus pontos de vista em relação ao sobrinho do nosso inesquecível Ayrton Senna. Por acaso, o Fernando Cruz seria um português caucasiano melhor do que um africano angolano? Como um honrado representante da raça negra assuma-se como tal e mostre ao mundo que um afrodescendente de Angola também aprecia a Fórmula 1. Gostei do seu inglês no blog de um gringo. Nota-se que és um negro de boa formação cultural e que tem o privilégio de comunicar-se em outros idiomas e viajar para o continente europeu.
    A Fórmula 1 não é esporte de brancos e Lewis Hamilton, eu e você estamos aqui para provar.
    Um fortíssimo abraço!
    Ricardo

  43. Fernando Cruz disse:

    O Bruno voltou a mostrar o seu potencial em Silverstone. Para quem nao sabe, Pedro Lamy e um dos melhores do mundo em carros de turismo e o Bruno foi mais rapido do que ele na maioria das voltas que fizeram juntos! Sera que Kobayashi esteve assim tao bem no confronto com os seus colegas de equipa? Estive a ver os tempos no live timing e o Bruno foi muitas vezes o mais rapido na sua classe, apesar de quase nao ter andado nos treinos e enfrentar pilotos muito mais experientes com este tipo de carros.

    Quanto as confusoes que muitos leitores continuam a fazer, reparem nos seguintes pormenores: o Fernando Cruz usa um teclado que nao lhe permite colocar acentos, o Valdemar Domingos nao tem esse problema. O Fernando Cruz usa o nick “razao” no autosport portugues (podem conferir), o Valdemar usa o nick “ValSenninha”. O Fernando Cruz tem um perfil no facebook, o Valdemar tem outro muito diferente. O Fernando Cruz esta ha dois meses a debater sozinho (com varios interlocutores) no blog do Flavio Gomes, sem qualquer ajuda de ninguem, o Valdemar so agora apareceu a comentar, aqui no Blog GP. O Fernando Cruz tem 50 anos, o Valdemar tem 34. O Fernando Cruz e portugues, o Valdemar e angolano. Ate o estilo de escrita e diferente, ao contrario do que dizem alguns. O Fernando Cruz comenta tambem em blogs ingleses (F1 Fanatic e James Allen on F1), o Valdemar ate agora nao.

    Uma coisa que pode criar alguma confusao nas pessoas e os comentarios nao aparecerem de imediato algumas vezes, enquanto outras vezes aparecem logo. Isso e um pouco estranho. Por exemplo eu comentei no dia 12 sem ver nenhum comentario com data de 11, os quais so ficaram visiveis mais tarde. Mas os comentarios do meu colega Valdemar apareceram quase de imediato e pude responder-lhe pouco tempo depois. Admito que isso possa induzir em erro alguns leitores mas quem gere o blog nao sabera distinguir pessoas diferentes com e-mails diferentes?

    A verdade e que sou eu, Fernando Cruz (e nao o Valdemar), quem tem por habito comentar em diferentes blogs de diferentes paises. Mas tambem nao acho que haja qualquer mal nisso, ate porque nunca foi minha intençao lançar a confusao ou a discordia. Faço-o por paixao (por F1) e gosto (pela escrita e pelo debate) e procuro sempre respeitar as opinioes das outras pessoas. Rebato quando nao concordo e em milhares de participaçoes nos ultimos dois anos e meio (desde que passei a comentar em blogs brasileiros) raramente “pisei o risco”. Isso aconteceu talvez uma 3 ou 4 vezes e isso e muito pouco para quem comenta tanto em tantos blogs. Sempre fui transparente, sempre me identifiquei com o meu proprio nome, a exceçao do inicio (entre final de 2010 e inicio de 2011) quando usava o nick “Gilles_Senna”. Mas tambem aqui era transparente, pois usava sempre o mesmo nome/nick, ao contrario do que fazem alguns que estao sempre a arranjar nicks diferentes para comentar aqui e ali.

    Com respeito e consideraçao

    Fernando Cruz

    • Celso Ribeiro de Lima Jr. disse:

      A minha conclusão é:

      Valdemar Domingos = Fernando Cruz

    • Gabriel Knauer disse:

      Leitores brasileiros,

      É só ignorar esse desocupado! Não notaram que ele é infantil e quer ficar sempre com a última palavra? O ocioso só está tirando sarro da nossa cara e ninguém percebe?. Provavelmente, não há muitas coisas para se fazer em Angola ou Portugal.

    • Chico Moraes disse:

      Fernando, ou melhor, Valdemar, aqui também? Agora, já sei quem você é… Você é uma espécie de “arroz de festa” dos blogs sobre automobilismo. Haja paciência!

  44. Leandro da Silva Lapatza disse:

    Os brasileiros, realmente, acreditam que o Valdemar Domingos não é o Fernando Cruz. Além do mais, o meu povo crê na existência do Coelhinho da Páscoa, do Papai Noel, do Curupira, do Saci-pererê etc. O Valsenninha é, com certeza, uma mala sem alças e sem rodinhas de origem luso-angolana. Aliás, deve ser um boa-vida que contrasta com boa parte da população de Angola, que é um país com um índice de desenvolvimento humano muito baixo. Passear de cart em terras lusitanas e taramelar pela Internet. Que vida boa, hein!
    Só está faltando o ditador norte-coreano papear no blog da redação do Grande Prêmio.

  45. Nalbert disse:

    O Valdemar Domingos é o Michael Jackson em inicio de carreira.

    O Fernando Cruz é o Valdemar Domingos, isto é, o Michael Jackson, mas no final de carreira.

  46. Marcio V. da Mota disse:

    Valdemar Cruz ou Fernando Domingos:

    Não tente se explicar, pois você se complica ainda mais!

  47. Flávio Navarro disse:

    Estimado Sr. Valdenando Domincruz:

    Se o senhor estiver estafado de, aos 34 anos de idade, ser estudante, comentarista de automobilismo e piloto de cart, convido-o a trabalhar na República Federativa do Brasil. O amigo poderia dialogar com o Didi e o Dedé e constituir, novamente, o quarteto “Os Trapalhões”. O finado Mussum era negro e o lugar dele seria ocupado pelo angolense Valdemar Domingos. Para a vaga do falecido Zacarias, entraria o português Fernando Cruz, mas com maquilagem, pois aquele era branco.
    Por suas palavras, percebe-se que o colega tem o dom para o humor.
    Abraços.

  48. Saulo Gonçalves disse:

    Valdemar Domingos ou Fernando Cruz:

    O senhor é um BOÇAL! É por isso que Angola é um “país” tão evoluído… Deve estar cheio de pessoas como este Valdemar Domingos.

  49. MANOEL PINTO disse:

    O Bruno Senna é tão fraquinho que devria só competir no kart.

    • Fernando Cruz disse:

      Sim, e tao fraquinho que comanda o Mundial de GTE Pro do WEC, deixando o Kobayashi na sombra. Tao fraquinho que fez a Pole Position em Spa, batendo pilotos bem mais experientes com estes carros. Tao fraquinho que foi peça fundamental para mais um excelente resultado da Aston Martin numa prova em que os Ferrari eram mais rapidos.

      Bruno Senna esta a provar no WEC que em condiçoes justas, sem covardias, ganha corridas e luta por titulos, como sempre fez na sua carreira, na F3 e na GP2. Como faria tambem na F1 sem golpes de secretaria, entrando na altura certa com a Honda ou a Brawn, como teria merecido.

Deixe uma resposta para Cosme Couto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.